G7 exige ação da Rússia contra crimes cibernéticos e uso de armas químicas

O comunicado diz que a Rússia precisa "responsabilizar aqueles que, dentro de suas fronteiras, conduzem ataques de ransomware, abusam de moedas virtuais para lavar dinheiro e outros crimes cibernéticos"
 (Reuters/Kacper Pempel)
(Reuters/Kacper Pempel)
Por ReutersPublicado em 13/06/2021 14:02 | Última atualização em 13/06/2021 14:02Tempo de Leitura: 2 min de leitura

O Grupo dos Sete (G7) países mais industrializados do mundo exigiu neste domingo que a Rússia tome medidas contra os que fazem ataques cibernéticos e usando ransomware a partir do país.

O mundo segue mudando. Siga em evolução com a EXAME Academy.

A reprimenda veio em um comunicado emitido após uma cúpula de três dias entre líderes do G7 no Reino Unido, que também pediu que Moscou "pare com seu comportamento desestabilizante e atividades malignas" e conduza uma investigação sobre o uso de armas químicas em território russo.

O comunicado diz que a Rússia precisa "responsabilizar aqueles que, dentro de suas fronteiras, conduzem ataques de ransomware, abusam de moedas virtuais para lavar dinheiro e outros crimes cibernéticos".

A questão está sob os holofotes após um ataque virtual ao Colonial Pipeline, maior tubulação de combustíveis dos Estados Unidos, e outro que interrompeu as operações norte-americanas e australianas do frigorífico JBS.

A nota do G7 pede ações mais amplas contra ataques de ransomware, descrevendo a prática como a criptografia de dados de uma vítima para exigir pagamentos em troca do retorno desses dados como uma "ameaça ascendente compartilhada".

"Pedimos que os Estados identifiquem e interrompam redes criminosas de ransomware que operem de dentro de suas fronteiras e responsabilizem essas redes por suas ações", diz o documento.

O pedido por investigação sobre uso de armas químicas vem após o crítico do Kremlin Alexei Navalny ser atendido na Alemanha, com médicos alemães disseram que foi um envenenamento com um agente nervoso de uso militar. Navalny acusa Putin de ordenar o envenenamento, o que é negado pelo Kremlin.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso.