G-7 diz estar preocupado com ações ameaçadoras da China na região de Taiwan

Grupo, formado por Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão, Reino Unido e Estados Unidos, se manifesta após visita de Nancy Pelosi
G7: grupo se manifesta sobre China e Taiwan após visita de Nancy Pelosi, dos EUA (Kerstin Joensson/Divulgação)
G7: grupo se manifesta sobre China e Taiwan após visita de Nancy Pelosi, dos EUA (Kerstin Joensson/Divulgação)
E
Estadão ConteúdoPublicado em 03/08/2022 às 14:01.

Os ministros de Relações Exteriores do G-7 divulgaram comunicado no qual se dizem preocupados com "ações recentes e anunciadas ameaçadoras" da China em relação ao Estreito de Taiwan.

Quer atingir a profissão mais valorizada na pandemia? Vire um "dev" com o curso de Data Science e Python da EXAME.

A nota divulgada nesta quarta-feira, 3, pelo grupo, formado por Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão, Reino Unido e Estados Unidos, é divulgada após visita da presidente da Câmara dos Representantes americana, Nancy Pelosi, exacerbar tensões entre Pequim e Taiwan e também entre chineses e americanos.

O comunicado é ainda assinado pelo Alto Representante da União Europeia (UE). Segundo o grupo, preocupa particularmente a realização de exercícios militares com munição de verdade e a "coerção econômica" exercida pela China, "com risco de escalada desnecessária".

Segundo o G-7, não é motivo para se usar uma visita como pretexto para "ação militar agressiva no Estreito de Taiwan". A resposta chinesa eleva riscos de mais tensões e desestabilização na região, aponta o grupo.

O G-7 solicita ainda que a China "não mude de modo unilateral pela força o status quo da região" e pede que as diferenças no Estreito de Taiwan sejam resolvidas "pelos meios pacíficos".

O G-7 diz que não houve mudança nas políticas dos países do grupo em relação a uma China, "onde ela é aplicável", bem como nas posições básicas sobre Taiwan.

(Estadão Conteúdo)

LEIA TAMBÉM:

Seis ações que a China pode tomar com visita de Pelosi a Taiwan

Visita de Nancy Pelosi a Taiwan pode levar a uma guerra?

Estados Unidos estão criando provocações para a China em Taiwan, diz ex-embaixador brasileiro