França mobiliza porta-aviões para intervenção no Iraque

O presidente François Hollande afirmou que a intervenção será realizada a partir de agora com "mais força e intensidade ainda"

Paris - O presidente da França, François Hollande, anunciou nesta quarta-feira que desde ontem o porta-aviões Charles de Gaulle foi mobilizado para reforçar a intervenção no Iraque.

Hollande afirmou que a intervenção será realizada a partir de agora com "mais força e intensidade ainda".

Em um discurso diante das Forças Armadas feito no porta-aviões, próximo da base de Tolón, no sul do país, o chefe de Estado disse que a mobilização se justifica pela situação atual no Oriente Médio.

A embarcação, segundo Hollande, trabalhará em "estreito vínculo" com as forças da coalizão internacional e disponibilizará "informação valiosa" para melhorar a intervenção armada no Iraque.

O Charles de Gaulle, joia da Marinha francesa, é em palavras de Hollande "um instrumento de força e de potência", "símbolo" da independência da França, que "manifesta a capacidade política, militar e diplomática" do país.

A bordo, segundo lembraram hoje os meios de comunicação franceses, viajam dois mil fuzileiros navais, 12 caças de combate Rafale e nove Super Étendard, quatro helicópteros e um avião de vigilância.

Eles são acompanhados, além disso, por um grupo aeronaval composto por uma fragata de defesa antiaérea, um submarino nuclear de ataque e um petroleiro para sua provisão. Por isso que, segundo resume o jornal "Le Parisien", trata-se de um "pequeno Exército".

O discurso de Hollande ocorre em um momento no qual é ventilado o desdobramento no país de 10,5 mil militares para garantir sua segurança interior, número que pela primeira vez supera o número de soldados mobilizados no exterior (8,5 mil) e que ocorre em resposta aos atentados da semana passada.

O presidente ressaltou que devem ser conjugados ao mesmo tempo as ameaças que chegam do interior e do exterior, e explicou que a decisão de recorrer ao porta-aviões é tomada com o objetivo de fazer frente ao terrorismo.

Consciente de que a situação é "excepcional", Hollande avançou em sua intenção de que seja revisada na lei de programação militar para 2014-2019, a previsão de reduzir em mais de 24 mil o número de soldados no exército nesse período.

O chefe do Estado indicou que pediu ao titular da Defesa, Jean-Yves Le Drian, que transmita suas propostas até o final de semana, e informou que na próxima quarta-feira será realizado um Conselho de Defesa a respeito.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.