Mundo

França autoriza ministro do Trabalho a depor

Eric Woerth será interrogado sobre um possível financiamento político ilegal com o dinheiro de Liliane Bettencourt, herdeira do grupo L'Oréal

Ministro do trabalho francês, Eric Woerth, será interrogado sobre financiamento político ilegal com dinheiro de Liliane Bettencourt, herdeira do grupo L'Oréal (Fred Dufour/AFP)

Ministro do trabalho francês, Eric Woerth, será interrogado sobre financiamento político ilegal com dinheiro de Liliane Bettencourt, herdeira do grupo L'Oréal (Fred Dufour/AFP)

DR

Da Redação

Publicado em 21 de julho de 2010 às 10h35.

Paris - O governo francês autorizou nesta quarta-feira a seu ministro do Trabalho, Eric Woerth, que preste depoimento à polícia à pedido da promotoria, dentro do caso vinculado à herdeira do grupo L'Oréal, indicou uma fonte governamental.

Woerth deve ser interrogado pela polícia em breve por causa das gravações clandestinas entre a multimilionária francesa Liliane Bettencourt e seus assessores.

A promotoria de Nanterre (periferia de Paris) pediu na terça-feira ao conselho de ministros que autorizasse a intimação de Woerth dentro das investigações sobre essas gravações clandestinas realizada pelo modormo da mulher mais rica da França, que transformaram um assunto jurídico-familiar num caso de Estado.

O ministro será interrogado sobre um possível financiamento político ilegal com o dinheiro de Bettencourt, suspeito de tráfico de influência para que sua esposa fosse contratada em 2007 pela empresa que gerencia a fortuna de Bettencourt, e por um caso de "conflito de interesses".

Esse último se refere ao tratamento fiscal dispensado a Bettencourt, terceira fortuna da França, suspeita de evasão fiscal.

Acompanhe tudo sobre:EuropaFrançaJustiçaLegislaçãoPaíses ricos

Mais de Mundo

Milei denuncia 'corridas cambiais' contra seu governo e acusa FMI de ter 'más intenções'

Tiro de raspão causou ferida de 2 cm em orelha de Trump, diz ex-médico da Casa Branca

Trump diz que 'ama Elon Musk' em 1º comício após atentado

Israel bombardeia cidade do Iêmen após ataque de rebeldes huthis a Tel Aviv

Mais na Exame