Farc propõem usos de cultivos de coca com controle estatal

Guerrilha propôs que sejam reconhecidos e estimulem os usos lícitos de cultivos de coca, maconha e papoula sob controle do Estado

Havana - As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) propuseram nesta quinta-feira que sejam reconhecidos e estimulem os usos lícitos de cultivos de coca, maconha e papoula sob controle do Estado, e argumentaram que essa linha escrita ou impressa agrícola pode gerar empregos e renda para a Colômbia.

A iniciativa faz parte de uma proposta da guerrilha sobre o "reconhecimento e estímulo dos usos nutricionais, medicinais, terapêuticos, artesanais, industriais e culturais dos cultivos de coca, maconha e papoula", apresentada nesta quinta-feira em Havana.

"Seus usos legais serão reconhecidos e estimulados através de uma política dirigida e regulada pelo Estado e com participação direta das comunidades produtoras, camponesas, indígenas e afrodescendentes", diz a declaração lida pelo guerrilheiro "Andrés Paris", cujo verdadeiro nome é Jesús Emilio Carvajalino.

O grupo rebelde considera que tanto o cultivo como o "processamento artesanal e industrial" de coca, maconha e papoula "podem se transformar em uma linha escrita ou impressa da atividade agrícola do país, gera de empregos e ingressos".

Para a guerrilha, as atividades de produção e processamento podem fazer parte dos "planos de desenvolvimento alternativos" que as comunidades produtoras planejarem, mas serão reguladas e dirigidas pelo Estado.

Por exemplo, propõem que as regiões produtivas se definam através de estudos das demandas interna e externa em "concertação" com os próprios produtores, e que se estabeleça um "sistema de compras estatais" com "preços de sustentação" à margem das oscilações do mercado.

As Farc referem que tanto os estudos científicos como as "práticas ancestrais" demonstraram as qualidades desses cultivos, que deveriam ser "divulgadas amplamente" à população.

Nesse sentido, também pedem que se protejam e apreendam "as práticas ancestrais das comunidades e dos povos indígenas", apoiando seus processos artesanais, reconhecendo o "valor cultural" da coca, e criando um centro de pesquisas sobre a espécie.

Segundo cálculos oficiais, no país sul-americano há atualmente cerca de 68 mil pequenos cultivadores de folha de coca.

As propostas divulgadas hoje pelas Farc fazem parte de sua contribuição ao debate sobre o problema das drogas e do narcotráfico na mesa dos diálogos de paz com o governo de Juan Manuel Santos, que encerra nesta quinta-feira seu 17º ciclo de negociações.

O tema de drogas e narcotráfico é o terceiro na negociação que as partes sustentam desde novembro de 2012 com sede permanente em Havana, e que já alcançou dois acordos parciais sobre a questão agrária e a participação política.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.