Acompanhe:

Expedição antártica da China é exclusivamente para fins pacíficos, diz pesquisador

China construiu quatro estações de pesquisa na região antártica – Estações Grande Muralha, Zhongshan, Kunlun e Taishan – e está agora construindo a quinta

Modo escuro

Continua após a publicidade
Antártica: o Brasil faz parte de um seleto grupo de 29 países que possuem estações científicas na região (Alan Arrais/NBR/Agência Brasil)

Antártica: o Brasil faz parte de um seleto grupo de 29 países que possuem estações científicas na região (Alan Arrais/NBR/Agência Brasil)

A China concluiu sua 39ª expedição à Antártida no início de abril, com tarefas que incluíam pesquisas sobre mudanças climáticas globais, o reabastecimento de materiais e a rotação de funcionários em duas estações no Polo Sul.

Desde que iniciou suas expedições à Antártida em 1984, o país construiu um sistema de monitoramento polar composto por navios de pesquisa, aviões polares de asa fixa e um robô subaquático autônomo, afirmou Liu Jiaqi, acadêmico da Academia Chinesa de Ciências (CAS) e pesquisador do Instituto de Geologia e Geofísica da CAS, segundo um relatório publicado pelo People’s Daily em março.

Durante quase 40 anos de pesquisa, o país estudou o ambiente ecológico, a evolução do clima e a geologia da região, além de elaborar o primeiro mapa topográfico do interior antártico, acrescentou Liu.

Por que construir a quinta estação de pesquisa?

A China construiu quatro estações de pesquisa na região antártica – Estações Grande Muralha, Zhongshan, Kunlun e Taishan – e está agora construindo a quinta.

A nova base de pesquisa, na Ilha Inexpressível, na Baía de Terra Nova, no Mar de Ross, será construída para monitoramento e proteção ambiental, fornecendo garantia para investigações e servindo como instalações de resgate e emergência, de acordo com um relatório da Xinhua em 2017.

A nova estação preencherá a lacuna na pesquisa antártica da China, uma vez que as estações Grande Muralha e Zhongshan cobrem o Atlântico e o Oceano Índico, respectivamente.

Atividade antártica da China limitada a fins pacíficos

Desde que a China se tornou uma parte consultiva do Tratado da Antártica em 1958, a atividade antártica do país tem sido limitada a fins pacíficos, disse Chen Hong, diretor executivo do Centro de Estudos da Ásia-Pacífico da Universidade Normal do Leste da China, ao Global Times na quarta-feira.

A quinta estação de pesquisa do país será equipada com um heliponto e um cais quebra-gelo apenas de acordo com suas atividades científicas, disse Chen, acrescentando que não há evidências de que as atividades de pesquisa científica da China na Antártida tenham um propósito militar.

Tradução: Mei Zhen Li
Fonte: Huanqiu

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Economia e desemprego entre jovens na China são 'grande preocupação' para autoridades
Mundo

Economia e desemprego entre jovens na China são 'grande preocupação' para autoridades

Há 10 horas

Pasta do Comércio da China se compromete a ajudar empresas e a impulsionar demanda doméstica
Economia

Pasta do Comércio da China se compromete a ajudar empresas e a impulsionar demanda doméstica

Há 2 dias

Biden diz que irá investigar carros chineses sob suspeita de espionagem
Mundo

Biden diz que irá investigar carros chineses sob suspeita de espionagem

Há 2 dias

Critérios climáticos devem pautar 45% dos financiamentos até 2030, prevê Banco Mundial
ESG

Critérios climáticos devem pautar 45% dos financiamentos até 2030, prevê Banco Mundial

Há 4 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais