Ex-procurador-geral diz que Trump estava 'fora da realidade' ao declarar fraude

Alegações de fraude sobre as máquinas de votação e outras teorias da conspiração que Trump abraçou eram "totalmente sem sentido" e "coisas malucas", disse ele
Trump: suas alegações de fraude nas eleições dos EUA viraram pauta em audiência do comitê que investiga o episódio de invasão do Capitólio (James Devaney / Colaborador/Getty Images)
Trump: suas alegações de fraude nas eleições dos EUA viraram pauta em audiência do comitê que investiga o episódio de invasão do Capitólio (James Devaney / Colaborador/Getty Images)
E
Estadão ConteúdoPublicado em 13/06/2022 às 18:31.

O ex-procurador-geral William Barr fez algumas das avaliações mais duras sobre a obsessão do então presidente Donald Trump a respeito da alegação de fraude eleitoral após a vitória de Joe Biden em 2020.

Em um depoimento gravado, Barr disse que o ex-presidente havia se "desligado da realidade" ao pressionar o Departamento de Justiça para investigar alegações de fraude, apesar da insistência de seus conselheiros para não fazê-lo.

"Ele se distancia da realidade se realmente acredita nessas coisas", testemunhou Barr em um vídeo exibido nesta segunda-feira, 13, durante uma audiência do comitê que investiga o episódio de invasão do Capitólio. Alegações de fraude sobre as máquinas de votação e outras teorias da conspiração que Trump abraçou eram "totalmente sem sentido" e "coisas malucas", disse ele.

Conquiste um dos maiores salários no Brasil e alavanque sua carreira com um dos MBAs Executivos da EXAME Academy.

Barr disse que a decisão de Trump de reivindicar a vitória na noite da eleição foi estranha porque muitos aliados próximos do presidente esperavam que as cédulas contadas mais tarde, incluindo as cédulas por correio, favoreceriam os democratas. Trump, disse ele, nunca deu qualquer "indicação de interesse em quais eram os fatos reais".

Barr foi um dos poucos funcionários do governo que rejeitou duramente as reivindicações eleitorais de Trump, acabando por renunciar devido à pressão do ex-presidente sobre o Departamento de Justiça.

Mas seu depoimento mostrado pelo comitê nesta segunda difere em tom e temperamento das declarações públicas de Barr enquanto procurador-geral. Várias semanas antes da eleição, Barr disse ao Congresso que uma eleição com muitos votos por correspondência não seria segura, uma conclusão que ele disse ser apoiada pelo "senso comum".

Depois que os votos foram dados, Barr nunca deixou o público saber que achava que Trump estava fazendo o que disse em seu depoimento ser um "desserviço" ao país.

Desde que deixou o cargo de procurador-geral em dezembro de 2022 Barr elogiou publicamente o ex-presidente. Durante uma turnê de seu livro este ano, ele disse que votaria em Trump novamente se ele fosse o candidato republicano à presidência.

Investigação na Câmara

Um seleto comitê da Câmara dos Estados Unidos investiga a insurreição de 6 de janeiro de 2021, quando apoiadores de Trump invadiram o Capitólio após alegações de fraude eleitoral.

O grupo afirmou em sua segunda audiência que o ataque ao Capitólio foi o resultado direto das repetidas alegações infundadas de Trump de que a eleição presidencial de 2020 foi roubada. Trump continuou insistindo nessas acusações, apesar de ter sido informado repetidamente que Joe Biden havia vencido a corrida de forma justa, de acordo com depoimentos de pessoas próximas ao ex-presidente.

Na audiência desta segunda, o comitê ouviu que os conselheiros de campanha mais próximos de Trump, altos funcionários do governo e até sua família tentavam desmantelar suas falsas alegações de fraude, mas o presidente derrotado estava se "desligando da realidade" e se apegando a teorias "bizarras" para permanecer no poder.

O comitê exibiu um vídeo de seu depoimento com o ex-gerente de campanha de Trump, Bill Stepien, no qual Stepien disse que avisou Trump na noite da eleição que era muito cedo para declarar vitória e que eles precisavam esperar até que as cédulas por correio fossem contadas. Trump se opôs a esse conselho, disse Stepien, e afirmou naquela noite que havia vencido, chamando infundadamente a corrida de "fraude" e "constrangimento".

Stepien deveria ser uma das principais testemunhas a comparecer pessoalmente, mas ele desistiu de aparecer ao vivo porque sua esposa entrou em trabalho de parto. O ex-gerente de campanha ainda é próximo de Trump e foi intimado a comparecer.

O genro de Trump Jared Kushner tentou afastá-lo do advogado Rudy Giuliani e de suas teorias de fraude eleitoral que os conselheiros acreditavam não serem verdadeiras. Trump não aceitaria nada disso.

O vai-e-vem manteve-se nos meses que se seguiram. O ex-funcionário do Departamento de Justiça Richard Donoghue lembrou-se de quebrar uma alegação após a outra - de um caminhão cheio de cédulas na Pensilvânia a uma mala de cédulas desaparecidas na Geórgia - e dizer a Trump que "muitas das informações que você está recebendo são falsas".

O painel também forneceu novas informações sobre como a máquina de arrecadação de fundos de Trump arrecadou cerca de US$ 250 milhões após as eleições de novembro para continuar lutando, principalmente com doações de pequenos valores dos americanos. Um pedido de dinheiro saiu 30 minutos antes da insurreição de 6 de janeiro de 2021.

Investigação afirma que Trump incentivou 'tentativa de golpe'

Comitê de Republicanos e Democratas que investiga o ataque ao Capitólio em 2021, afirmou que Donald Trump incentivou a ação em uma tentativa de golpe

"Não havia apenas a grande mentira, havia o grande roubo", disse a congressista democrata pela Califórnia, Zoe Lofgren.

Stepien e o conselheiro sênior Jason Miller descreveram como o clima festivo na Casa Branca na noite da eleição mudou quando a Fox News anunciou que Trump havia perdido o estado do Arizona para Joe Biden, e assessores trabalharam para aconselhar Trump sobre o que fazer a seguir.

Mas ele ignorou o conselho deles, preferindo ouvir Giuliani, que foi descrito como enviesado por várias testemunhas. Giuliani negou o que classificou como "todas as falsidades" que estavam sendo ditas sobre ele.

Enquanto pondera outra candidatura à Casa Branca, Trump insiste que a investigação do comitê é uma "caça às bruxas". Na semana passada, ele disse que 6 de janeiro "representava o maior movimento da história do nosso país".

Nove pessoas morreram no tumulto e suas consequências, incluindo um apoiador de Trump baleado e morto pela polícia. Mais de 800 pessoas foram presas no cerco, e membros de dois grupos extremistas foram indiciados por raras acusações de sedição por seus papéis na liderança.

(Estadão Conteúdo com agências internacionais)