Ex-membro da CIA é condenado por maior vazamento de dados da história da agência

Joshua Schulte compartilhou ferramentas cibernéticas com o WikiLeaks em 2016
CIA: Schulte era suspeito quando o Wikileaks começou a publicar os segredos (Dado Ruvic/Reuters)
CIA: Schulte era suspeito quando o Wikileaks começou a publicar os segredos (Dado Ruvic/Reuters)
A
AFPPublicado em 14/07/2022 às 07:06.

Um ex-programador da CIA foi considerado culpado nesta quarta-feira, 13, no tribunal federal de Nova York, pelo vazamento de ferramentas valiosas de hacking da agência de inteligência americana para o Wikileaks, dois anos após o seu julgamento ser anulado. Segundo a agência, esse foi o  maior vazamento de dados confidenciais da história da CIA. 

Joshua Schulte, 33, trabalhava para a unidade de elite de hacking da CIA quando pegou sigilosamente as ferramentas "Vault 7" usadas para invadir computadores e sistemas de tecnologia e, após deixar o emprego, enviou-as para o grupo antisigilo.

O "Vault 7" era uma coleção de malware, vírus, cavalos de Troia e fragmentos maliciosos que, uma vez vazados, estavam disponíveis para serem usados por grupos de inteligência estrangeiros e hackers de todo o mundo. Segundo os promotores, Schulte era um funcionário ressentido, que vazou os 8.761 documentos para prejudicar a agência.

"Schulte estava ciente de que o efeito colateral de sua ação poderia representar uma ameaça extraordinária para esta nação se tornada pública", disse o procurador Damian Williams. O vazamento teve "um efeito devastador em nossa comunidade de inteligência, fornecendo informações cruciais para aqueles que querem nos prejudicar", assinalou.

Schulte era suspeito quando o Wikileaks começou a publicar os segredos, mas, em 2017, foi acusado apenas de ter uma extensa coleção de pornografia infantil em seu computador. Acusações por roubo e transmissão de informações de segurança nacional foram adicionadas posteriormente.

Em 2020, um júri o condenou apenas por acusações menores. Nesta quarta-feira, um novo júri condenou Schulte por oito acusações sob a Lei de Espionagem e uma de obstrução da Justiça. Ele ainda enfrenta um processo separado por pornografia infantil.

O vazamento, que surpreendeu a CIA em março de 2017, foi catalogado como a perda de material classificado mais prejudicial na história da agência de inteligência.

LEIA TAMBÉM: 

Chefes do FBI e do MI5 emitem alerta conjunto sobre espionagem da China