Ex-funcionários do governo argentino são presos em novo caso de corrupção

O esquema de corrupção movimentou cerca de 160 milhões de dólares em dinheiro provenientes de subornos pagos por empresários em troca de obras públicas

A Argentina foi sacudida por um novo escândalo de corrupção, com a justiça decretando a prisão de uma dúzia de ex-funcionários do governo de Cristina Kirchner e de empresários, entre eles um ligado ao presidente Maurício Macri.

Entre os detidos estão Roberto Baratta, ex-secretário de coordenação do ex-ministro do Planejamento Federal, Julio De Vido, preso por suposta corrupção, os empresários Gerardo Ferreyra, da Electroingeniería, Javier Sánchez Caballero, da construtora Iecsa, e Rafael Llorens, ex-secretário legal do Planejamento Federal.

A Iecsa pertence a Ángelo Calcaterra, primo do presidente Mauricio Macri.

Segundo a promotoria, o esquema de corrupção movimentou "cerca de 160 milhões de dólares em dinheiro" provenientes de subornos pagos por empresários em troca de obras públicas.

A ex-presidenta argentina Cristina Kirchner foi citada a depor - no dia 13 de agosto - como parte do mesmo processo.

A atual senadora deverá ser ouvida pelo juiz federal Claudio Bonadio, segundo fontes judiciais.

"A hipótese que está sendo investigada é a da associação ilícita", declarou o promotor do caso, Carlos Stornelli, à Radio La Red.

Não foi esclarecido se Kirchner foi convocada no caráter de testemunha ou de indiciada. O promotor Stornelli indicou que o caso está sob sigilo.

As prisões ocorreram após depoimento da ex-esposa do motorista de Baratta, também preso, relatando supostas transferências de sacolas com dinheiro para o ministério.

O juiz citou a ex-presidente porque sua casa na capital é apontada como o destino de uma das supostas entregas, conforme as anotações fornecidas ao juiz detalhando os movimentos do dinheiro.

Presume-se que essas anotações pertençam a Oscar Centeno, motorista de Baratta.

A investigação começou há oito meses, quando um informante entregou uma caixa com seis cadernos e dois blocos, todos manuscritos, ao jornalista Diego Cabot do jornal La Nación.

"Encontrei um relato detalhado e absolutamente fidedigno (...) de dez anos de movimentos" de propina envolvendo "o ministério do Planejamento", contou Cabot ao canal La Nación+.

Os cadernos revelavam todas as entregas de dinheiro feitas por Baratta de automóvel entre 2005 e 2015, onde aparece o endereço da ex-presidente.

Kirchner, cujo mandato de senadora não permite que seja detida, foi nesta quarta-feira ao Senado, mas não fez declarações à imprensa.

O juiz Bonadio, que Kirchner tentou destituir durante seu governo por mau desempenho, já abriu um processo contra a ex-presidente em dezembro passado, por suposto encobrimento dos iranianos acusados do atentado contra a associação judaica AMIA, que deixou 85 mortos em 1994.

Também foram chamados para depor o ex-chefe de gabinete Juan Manuel Abal Medina, o ex-secretário-geral da Presidência e ex-diretor da Agência Federal de Inteligência (AFI) Oscar Parrilli, e outros ex-funcionários que aparecem nas anotações.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.