Mundo
Acompanhe:

Ex-diretor do comitê organizador dos Jogos de Tóquio é detido por suspeitas de corrupção

Os promotores o acusam de ajudar a ADK Holdings a conseguir um contrato de publicidade vinculado aos Jogos e de ter recebido em troca 47 milhões de ienes

Outras três pessoas, entre elas o presidente da ADK, Shinichi Ueno, também foram detidas nesta quarta (ISSEI KATO/POOL/AFP/Getty Images)

Outras três pessoas, entre elas o presidente da ADK, Shinichi Ueno, também foram detidas nesta quarta (ISSEI KATO/POOL/AFP/Getty Images)

A
AFP

Publicado em 19 de outubro de 2022, 15h17.

Última atualização em 19 de outubro de 2022, 15h22.

O escândalo de corrupção em torno dos Jogos Olímpicos de Tóquio viveu um novo capítulo nesta quarta-feira, 19, com a detenção, pela quarta vez, de um ex-dirigente da organização do evento, no marco de uma investigação sobre possíveis subornos.

Segundo documentos da Promotoria de Tóquio, Haruyuki Takahashi, de 78 anos, é acusado de receber 54 milhões de ienes (cerca de US$ 360 mil) em propinas pagas por uma grande agência de publicidade e por um fabricante de "produtos licenciados".

Os promotores o acusam de ajudar a ADK Holdings a conseguir um contrato de publicidade vinculado aos Jogos e de ter recebido em troca 47 milhões de ienes "consciente de que se tratava de uma compensação".

Quer receber os fatos mais relevantes do Brasil e do mundo direto no seu e-mail toda manhã? Clique aqui e cadastre-se na newsletter gratuita EXAME Desperta.

Takahashi também teria recebido 7 milhões de ienes de uma empresa identificada pela imprensa japonesa como Sun Arrow, fabricante de pelúcias encarregada de produzir os mascotes dos Jogos Olímpicos.

Outras três pessoas, entre elas o presidente da ADK, Shinichi Ueno, também foram detidas nesta quarta.

Takahashi foi detido pela primeira vez em agosto, suspeito de receber mais de € 320 mil da rede de vestuário Aoki Holdings, após a assinatura de um contrato entre sua empresa e o grupo, que se tornou patrocinador oficial dos Jogos.

Ele é acusado de receber propinas em um valor total de 196 milhões de ienes (€ 1,3 milhão) de empresas como o grupo editorial Kadokawa e a agência publicitária Daiko.

Suspeitas de corrupção também rondam o processo de escolha de Tóquio como sede dos Jogos, realizados em 2021 devido à pandemia de covid-19.

LEIA TAMBÉM:

Ex-chefe da Olimpíada de Tóquio é preso acusado de suborno

Alemanha e Israel recordam 50 anos do atentado nos Jogos de Munique