EUA: relatório afirma que coronavírus pode ter vazado de laboratório

O estudo foi preparado em maio de 2020 pelo Laboratório Nacional Lawrence Livermore, na Califórnia

Um relatório sobre as origens da covid-19 realizado por um laboratório nacional do governo dos Estados Unidos concluiu que a hipótese de que o vírus vazou de um laboratório chinês em Wuhan é plausível e merece uma investigação mais aprofundada, de acordo com pessoas familiarizadas com o documento confidencial.

A saúde mental não precisa ser um tabu. Para entender os impactos da saúde mental na sua produtividade e finanças pessoais, faça o curso Mente em Foco: Investindo na sua Saúde Mental Para Alcançar Potencial, de EXAME Academy.

O estudo foi preparado em maio de 2020 pelo Laboratório Nacional Lawrence Livermore, na Califórnia, e foi usado pelo Departamento de Estado quando conduziu uma investigação sobre as origens da pandemia nos meses finais do governo do ex-presidente Donald Trump. Uma porta-voz do Lawrence Livermore se recusou a comentar o relatório, que permanece em sigilo.

Uma pessoa que leu o documento, datado de 27 de maio de 2020, disse que ele era um forte argumento para uma investigação mais aprofundada sobre a possibilidade de o vírus ter vazado de laboratório. O estudo também teve grande influência na investigação do Departamento de Estado sobre as origens da covid-19. Funcionários receberam a pesquisa no final de outubro de 2020 e pediram mais informações, de acordo com um cronograma do escritório de controle e verificação de armas da agência, que foi revisado pelo The Wall Street Journal.

Apesar das descobertas, o zoólogo Peter Daszak e outros 26 colegas asseguram, em artigo publicado pela revista Lancet, que a origem do coronavírus é natural -- e que não teria passado por laboratórios para ser feito. A hipótese mais provável, de acordo com o especialista, é a de que algum animal tenha transmitido a doença a outro que, por sua vez, entrou em contato com algum humano.

As declarações foram colocadas sob suspeita depois que foi comprovada uma ligação entre Daszak e Shi Zhengli, importante cientista chinesa, como mostrou o Fantástico. O especialista ainda integrou uma equipe da OMS que foi até Wuhan no início do ano para desvendar a origem do coronavírus.

A reportagem ainda mostra que um trabalho conduzido pela equipe da cientista chinesa chegou a encontrar um vírus 96% similar ao coronavírus em Yunnan, em cavernas habitadas por morcegos. O que pesquisadores não esclareceram, até agora, é a hipótese de o vírus chegar a Wuhan, a mais de 1.500 quilômetros de distância.

Além desta, outras evidências completam a hipótese de que o vírus tenha surgido de forma natural. Exemplo disso é um estudo científico feito por pesquisadores de universidades dos Estados Unidos, Austrália e Reino Unido, e publicado na revista Nature Medicine, o vírus é resultado de evolução natural, sem engenharia humana. A eficácia do vírus ao se ligar a células do corpo humano sugere que ele é resultado de seleção natural, segundo os pesquisadores.

“Ao comparar os dados disponíveis de sequenciamento de genoma das cadeias do vírus, podemos determinar com firmeza que o SARS-CoV-2 [como é chamado o novo coronavírus] foi originado a partir de processos naturais”, disse, em nota, Kristian Andersen, professor associado de imunologia e microbiologia do Scripps Research, centro americano de pesquisa médica sem fins lucrativos.

De acordo com a pesquisa, a estrutura molecular do novo coronavírus não seria algo feito em laboratório porque ela é muito diferente daquela vista em outras doenças do mesmo grupo. No entanto, ela tem semelhanças com vírus conhecidos que afetam morcegos e pangolins, que não seriam usados na engenheria genética.

Nesse sentido, uma das possibilidades consideradas pela comunidade científica global é de que o novo coronavírus tenha evoluído em alguma espécie de animal (ainda não se sabe ao certo qual seria) e, então, ter feito a transição para o organismo humano.

 

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também