EUA espera sinais da Coreia do Norte sobre possível diálogo

O secretário Rex Tillerson disse que seu trabalho é "garantir que os norte-coreanos saibam que mantemos nossos canais abertos"

Washington - O secretário de Estado dos Estados Unidos, Rex Tillerson, está atento a possíveis sinais da Coreia do Norte sobre a chance de iniciar um diálogo, que começaria sendo bilateral, mas no qual a China assumiria algum papel mais adiante.

"O meu trabalho como chefe da diplomacia é garantir que os norte-coreanos saibam que mantemos nossos canais abertos", disse Tillerson em entrevista exibida na noite de domingo pela emissora "CBS", e da qual o Departamento de Estado proporcionou uma transcrição nesta segunda-feira.

"Não estou mandando muitas mensagens de resposta porque, por enquanto, não há nada a dizer, portanto estou ouvindo para que você (a Coreia do Norte) me diga que está preparado para falar", acrescentou Tillerson.

Ao ser questionado sobre como saberia se a Coreia do Norte está disposta a realizar negociações, Tillerson respondeu: "Eles vão dizer".

"Recebemos suas mensagens. E acredito que será muito explícita, a forma na qual quereremos ter essa primeira conversa", opinou o secretário de Estado.

Tillerson detalhou que "no início, as conversas poderiam ser bilaterais" entre Estados Unidos e Coreia do Norte, mas afirmou que deixou "muito claro" para a China que ela "terá um papel importante uma vez que as partes chegarem à mesa de negociação".

Ao ser perguntado por que considera que a Coreia do Norte aceitaria as condições americanas de avançar para uma "desnuclearização completa", Tillerson respondeu: "Porque isso não lhes traz nada, apenas faz com que (o regime) continue sendo o reino ermitão, isolado diplomática e economicamente do mundo".

O chefe da diplomacia americana também falou sobre sua relação com o presidente russo, Vladimir Putin, a quem conhecia bem antes de assumir o Departamento de Estado em 2017, devido aos negócios que fez com a Rússia quando era chefe da companhia petrolífera ExxonMobil.

"A minha relação com o presidente Putin já dura 18 anos. Sempre se concentrou no que eu podia fazer para ter sucesso em nome de meus acionistas, e como a Rússia também poderia ter sucesso", explicou Tillerson.

Não obstante, o titular da diplomacia americana reconheceu que, como secretário de Estado, sua relação com a Rússia é "diferente", e que, quando se encontrou pela primeira vez com Putin após assumir o cargo, disse ao líder russo: "Senhor presidente, (sou) o mesmo homem, com um chapéu diferente".

Tillerson também contradisse os legisladores que se queixam que o governo de Donald Trump não implementou as sanções contra a Rússia que o Congresso aprovou no ano passado pela suposta interferência do Kremlin nas eleições de 2016.

"Fizemos e estamos fazendo. Demos passos que já evitaram várias vendas militares à Rússia como resultado da legislação, e estamos avaliando mais indivíduos para impor possíveis sanções", garantiu.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.