Mundo

EUA envia segundo porta-aviões para 'dissuadir ações hostis contra Israel'

No mesmo dia, presidente Joe Biden enfatizou em uma ligação com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, o apoio do país

EUA: país enviou segundo porta-aviões em apoio a Israel (AFP/Site Exame)

EUA: país enviou segundo porta-aviões em apoio a Israel (AFP/Site Exame)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 15 de outubro de 2023 às 10h38.

Última atualização em 15 de outubro de 2023 às 10h38.

Os Estados Unidos enviaram seu segundo grupo de ataque de porta-aviões para o leste do Mediterrâneo para "dissuadir ações hostis contra Israel ou qualquer esforço direcionado a ampliar a guerra após os ataques do Hamas", disse o secretário de Defesa, Lloyd Austin, neste sábado, 14.

O porta-aviões USS Eisenhower e seus navios de guerra se juntarão a outro grupo de ataque já desdobrado na região após o ataque do Hamas a Israel e em meio à resposta do Estado hebreu.

O desdobramento indica por parte de Washington "o compromisso inabalável com a segurança de Israel e nossa resolução de dissuadir qualquer ator estatal ou não estatal que busque escalar esta guerra", disse Austin em um comunicado.

Na última semana, Israel lançou ataques mortais depois que combatentes do Hamas atravessaram a fronteira fortemente fortificada e mataram mais de 1.300 pessoas. Em Gaza, de acordo com as autoridades de saúde, mais de 2.200 pessoas morreram. Assim como no lado israelense, a maioria era composta por civis.

Os Estados Unidos enviaram munições para Israel e advertiram outros países para não escalarem o conflito.

No mesmo dia do anúncio do envio do segundo porta-aviões, o presidente Joe Biden enfatizou em uma ligação com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, o apoio dos Estados Unidos aos esforços para proteger os civis no meio do bombardeio em Gaza.

"O presidente Biden expressou seu apoio a todos os esforços para proteger os civis", disse a Casa Branca em um comunicado sobre essa ligação, sem fazer referência específica ao enclave.

Biden também falou no sábado com o líder da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, pela primeira vez desde o início das hostilidades, condenando o "ataque brutal do Hamas a Israel".

"O Hamas não defende o direito do povo palestino à dignidade e à autodeterminação", disse Biden a Abbas, de acordo com o comunicado da Casa Branca.

Acompanhe tudo sobre:Estados Unidos (EUA)IsraelConflito árabe-israelenseFaixa de GazaHamas

Mais de Mundo

Presidente eleito do Irã afirma estar disposto à realizar 'diálogo construtivo' com a UE

Três pontos para prestar atenção na Convenção Republicana, que começa segunda

Argentina declara Hamas como 'organização terrorista internacional'

Para Rússia, mísseis dos EUA na Alemanha transforma capitais europeias em 'vítimas potenciais'

Mais na Exame