EUA e Coreia do Sul mobilizam caças em meio a temores de novo teste nuclear pela Coreia do Norte

O lançamento tem como objetivo responder com rapidez e precisão a eventuais ataques norte-coreanos
 (FP PHOTO/KCNA VIA KNS/AFP)
(FP PHOTO/KCNA VIA KNS/AFP)
E
Estadão Conteúdo

Publicado em 07/06/2022 às 15:44.

Última atualização em 07/06/2022 às 16:07.

Os Estados Unidos e a Coreia do Sul realizaram sobrevoo de dezenas de caças sobre as águas ao redor da Península Coreana nesta terça-feira, 7, em uma demonstração de força ao líder da Coreia do Norte. Segundo autoridades americanas, Pyongyang planeja um teste nuclear para os próximos dias, levando a uma resposta coordenada dos dois aliados.

Quatro caças F-16 dos EUA voaram em formação com 16 aviões sul-coreanos — incluindo caças furtivos F-35A — sobre as águas da costa leste da Coreia do Sul, um exercício destinado a demonstrar a capacidade de responder às provocações norte-coreanas, disse o Estado-Maior Conjunto da Coreia do Sul.

Os Estados Unidos e o Japão realizaram um exercício separado envolvendo seis aeronaves — quatro caças F-15 japoneses e dois F-16 americanos — acima das águas entre a Península Coreana e o Japão, disse o Ministério da Defesa do Japão.

Os voos ocorreram um dia depois que as forças americanas e sul-coreanas dispararam oito mísseis terra-terra nas águas orientais da Coreia do Sul para coincidir com uma exibição de mísseis no fim de semana pela Coreia do Norte, que disparou o mesmo número de armas de vários locais no domingo, no que provavelmente era seu maior evento de teste em um dia.

A Coreia do Norte já realizou 18 rodadas de lançamentos de mísseis somente em 2022 — incluindo suas primeiras demonstrações de mísseis balísticos intercontinentais desde 2017 — explorando um ambiente favorável para impulsionar o desenvolvimento de armas, com o Conselho de Segurança efetivamente paralisado pela guerra da Rússia na Ucrânia.

Teste nuclear

Os voos desta terça ocorreram quando a vice-secretária de Estado dos EUA, Wendy Sherman, viajou para Seul para discussões com a Coreia do Sul e autoridades japonesas sobre a ameaça norte-coreana e alertou para uma resposta "rápida e contundente" se o Norte continuar com um teste nuclear, o que seria o primeiro em quase cinco anos.

Autoridades americanas e sul-coreanas dizem que a Coreia do Norte está quase pronta para realizar outra detonação em seu campo de testes nucleares na cidade de Punggye-ri. Seu último teste desse tipo e sexto no geral foi em setembro de 2017, quando alegou ter detonado uma bomba termonuclear projetada para seus mísseis balísticos intercontinentais.

Se realizado, o teste pode ser outro avanço no objetivo do líder norte-coreano Kim Jong-un de construir um arsenal que possa ameaçar de forma viável os EUA e seus aliados na região. Isso aumentaria uma campanha de pressão destinada a forçar os Estados Unidos a aceitar a Coreia do Norte como uma potência nuclear e negociar concessões econômicas e de segurança a partir de uma posição de força.

Embora o governo de Joe Biden tenha prometido pressionar por sanções internacionais adicionais se a Coreia do Norte realizar um teste nuclear, as perspectivas de medidas punitivas robustas não são claras devido às divisões entre os membros permanentes do Conselho de Segurança das Nações Unidas.

"Qualquer teste nuclear violaria completamente as resoluções do Conselho de Segurança da ONU. Haveria uma resposta rápida e vigorosa a tal teste", disse Sherman após se reunir com o vice-ministro das Relações Exteriores da Coreia do Sul, Cho Hyun-dong. "Continuamos a pedir a Pyongyang que cesse suas atividades desestabilizadoras e provocativas e escolha o caminho da diplomacia."

Sherman e Cho estão planejando uma reunião com o vice-ministro das Relações Exteriores do Japão, Mori Takeo, na quarta-feira, sobre a questão nuclear norte-coreana.

Capacidade de atingir vizinhos

Desde que assumiu o poder em 2011, Kim acelerou o desenvolvimento de armas nucleares apesar dos recursos limitados e não demonstrou vontade de entregar totalmente um arsenal que ele vê como sua mais forte garantia de sobrevivência.

Especialistas dizem que com seu próximo teste nuclear a Coreia do Norte pode reivindicar a capacidade de construir pequenas bombas que podem ser colocadas em um míssil balístico intercontinental com várias ogivas ou encaixadas em mísseis de curto alcance que podem atingir a Coreia do Sul e o Japão.

Rafael Mariano Grossi, diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atômica, disse na segunda-feira que há indicações de que uma das passagens no campo de testes de Punggye-ri foi reaberta, possivelmente em preparação para um teste nuclear.

Horas antes da reunião de Sherman em Seul, o porta-voz do Departamento de Estado, Ned Price, disse a repórteres em Washington que os Estados Unidos acreditam que a Coreia do Norte poderia fazer seu sétimo teste "nos próximos dias".

As ações punitivas do governo Biden sobre os recentes testes de armas da Coreia do Norte se limitaram a sanções unilaterais em grande parte simbólicas. A Rússia e a China vetaram uma resolução patrocinada pelos EUA no Conselho de Segurança que teria imposto sanções adicionais à Coreia do Norte sobre seus testes balísticos anteriores em 25 de maio.

A mídia estatal da Coreia do Norte ainda não comentou os lançamentos de domingo. Eles vieram depois que o porta-aviões dos EUA Ronald Reagan concluiu um exercício naval de três dias com a Coreia do Sul no Mar das Filipinas no sábado, aparentemente seu primeiro exercício conjunto envolvendo um porta-aviões desde novembro de 2017, à medida que os países avançam para atualizar seus exercícios de defesa frente às crescentes ameaças norte-coreanas.

A Coreia do Norte há muito condena os exercícios militares combinados dos aliados como ensaios de invasão e muitas vezes contra-ataca com seus próprios exercícios de mísseis, incluindo lançamentos em 2016 e 2017 que simularam ataques nucleares a portos sul-coreanos e instalações militares dos EUA no Japão.

As negociações nucleares entre os EUA e a Coreia do Norte estão paralisadas desde 2019 por causa de desacordos sobre a flexibilização das sanções lideradas pelos EUA em troca de medidas de desarmamento norte-coreanas.

O governo de Kim até agora rejeitou as ofertas do governo Biden de negociações abertas e está claramente com a intenção de converter as negociações latentes de desnuclearização em um processo mútuo de redução de armas, dizem especialistas.

A campanha de pressão de Kim não foi afetada por um surto de covid-19 se espalhando por sua população, em grande parte não vacinada, de 26 milhões em meio à falta de ferramentas de saúde pública. A Coreia do Norte até agora rejeitou as ofertas de ajuda dos EUA e da Coreia do Sul, mas há indicações de que tenha recebido pelo menos algumas vacinas da aliada China.

(Estadão Conteudo)

 

Leia Também: Japão e Otan reforçam laços ante invasão da Rússia na Ucrânia e focando China

Na Cúpula das Américas, líderes devem tratar de meio ambiente à guerra na Ucrânia