EUA devem ser o pacificador do mundo, diz Peres

Shimon Peres, presidente de Israel, afirmou que o governo americano não deve ser a polícia do mundo, mas o pacificador

Jerusalém - O presidente de Israel, Shimon Peres, recebeu nesta sexta-feira em Jerusalém o secretário de Defesa americano, Chuck Hagel, com quem repassou a atualidade do Oriente Médio, com especial atenção à guerra na Síria, à controvérsia nuclear com o Irã e o conflito com os palestinos.

Segundo um comunicado divulgado pela presidência, Peres aproveitou a ocasião para agradecer o apoio dos EUA e afirmar que Washington, como disse o presidente americano, Barack Obama, "não deve ser a Polícia do mundo", mas "o pacificador".

"Como presidente de Israel, quero agradecer ao presidente Obama o apoio que dá a Israel. Durante o último ano, nossos laços atingiram níveis nunca vistos até o momento", declarou.

"Os problemas que enfrentamos são graves, mas podemos e devemos conduzi-los. O presidente Obama disse que os Estados Unidos não devem ser a Polícia do mundo, e estou de acordo: os Estados Unidos devem ser o pacificador do mundo. Ninguém pode substituí-lo. Suas Forças Armadas estão aí para manter a paz mundial", ressaltou.

O secretário de Defesa americano explicou que os EUA continuam comprometidos com a segurança na região e com a ideia de que "tem que estar perto destes eventos para tentar abrir caminhos e levar a paz, a estabilidade e a segurança a todos os povos".

"Estamos comprometidos com sua realização", assegurou.

Antes de visitar Peres, Hagel foi recebido pelo primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, que aproveitou a ocasião para criticar, mais uma vez, o processo de diálogo empreendido pela comunidade internacional com o Irã para tentar neutralizar suas supostas ambições nucleares militares.

"Acho que enquanto essas negociações com o Irã continuarem, um objetivo deve guiar a comunidade internacional, e isso deve ser não deixar que o regime dos aiatolás vençam", disse Netanyahu, que insinuou que o governo de Teerã só quer ganhar tempo e tentar enganar.

"Não devemos permitir que o Irã, o maior Estado terrorista de nossa era, desenvolva a capacidade de produzir armas nucleares", acrescentou.

Netanayahu criticou, além disso, o recente acordo de reconciliação nacional assinado pelo partido nacionalista palestino Fatah e o movimento islamita Hamas.

"Os EUA definiu de forma correta ao Hamas como entidade terrorista e é óbvio que os palestinos não podem pactuar com o Hamas e fazer a paz ao mesmo tempo com Israel. Estamos preocupados com o clima de propaganda e provocação contra o Estado judeu em Gaza e nas áreas controladas pela Autoridade Nacional Palestina", disse.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.