EUA ampliam o prazo do orçamento de 2014

Câmara dos Representantes dos EUA aprovou ampliar até quarta-feira o orçamento do atual ano fiscal, para ganhar tempo para aprovação do próximo orçamento

Washington - A Câmara dos Representantes dos Estados Unidos aprovou nesta sexta-feira ampliar até a próxima quarta-feira o orçamento do atual ano fiscal que financia o governo federal para ganhar tempo para a aprovação do orçamento de 2015.

Em uma sessão especial, a Câmara, dominada pela oposição republicana, aprovou a ampliação por unanimidade, para dar mais tempo ao Senado de debater e votar a lei orçamentária do próximo ano.

A Câmara dos Representantes deu sinal verde nesta quinta-feira ao orçamento de US$ 1,01 trilhão que financiará o governo federal até outubro de 2015.

Essa aprovação foi dada duas horas antes da meia-noite de quinta-feira, quando expirava o financiamento atual.

Para dar mais margem aos senadores e evitar uma nova paralisia da Administração como a vivida em outubro de 2013, o Congresso aprovou imediatamente e sem objeções uma medida chamada "resolução contínua", que mantém o governo financiado até a meia-noite de sábado, assinada pelo presidente Barack Obama.

O orçamento foi levado à Câmara apesar da oposição de legisladores da ala mais liberal do Partido Democrata, liderada pela senadora Elisabeth Warren.

A Casa Branca trabalhou para garantir os votos necessários para dar sinal verde ao orçamento, com chamadas do próprio Obama e de seu vice-presidente, Joe Biden, aos congressistas democratas que se opunham.

O próprio Obama não está de acordo com alguns dos aspectos do orçamento como a eliminação de restrições ao financiamento de campanhas eleitorais e as emendas à lei de reforma do sistema financeiro, conhecida como "Dodd-Frank".

Mas o porta-voz da Casa Branca, Josh Earnest, reiterou hoje que o presidente assinará a lei orçamentária que chegar ao seu escritório porque é fruto de um "compromisso" bipartidário.

Após a decisão tomada hoje pela Câmara dos Representantes, os senadores ainda poderiam ignorar a proposta de extensão do orçamento até quarta-feira, e debater e votar o texto legislativo esta noite para que fosse assinado imediatamente por Obama.

No entanto, o debate no Senado pode continuar semana que vem se continuarem as divergências de republicanos e democratas sobre o texto.

O projeto de lei financiará todas as agências do governo até setembro de 2015, quando conclui o ano fiscal, exceto o Departamento de Segurança Nacional (com jurisdição em imigração), que só é coberto até 27 de fevereiro com o mecanismo denominado "resolução contínua".

Deste modo, os republicanos buscam reabrir no início do ano que vem o debate sobre a ordem executiva assinada por Obama que regularizou temporariamente a situação de cinco milhões de imigrantes ilegais.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.