EUA alertam Rússia sobre consequências catastróficas do uso de armas nucleares

Na última quarta-feira, Putin anunciou uma mobilização militar e citou o potencial nuclear da Rússia
 (Brendan Smialowski/Alexei Nikolsky/Getty Images)
(Brendan Smialowski/Alexei Nikolsky/Getty Images)
E
Estadão ConteúdoPublicado em 25/09/2022 às 13:05.

O conselheiro de segurança nacional Jake Sullivan disse que os Estados Unidos alertaram a Rússia de que o país enfrentaria "consequências catastróficas" se usasse armas nucleares na Ucrânia.

"Nós comunicamos diretamente a oficiais do alto escalão russo que haverá consequências catastróficas para a Rússia se eles usarem armas nucleares na Ucrânia", disse Sullivan neste domingo no programa "This Week", da ABC News.

Receba as notícias mais relevantes do Brasil e do mundo toda manhã no seu e-mail. Cadastre-se na newsletter gratuita EXAME Desperta.

"Fomos claros e enfáticos que os Estados Unidos responderão decisivamente ao lado de nossos aliados e parceiros", disse. "Comunicamos aos russos quais seriam as consequências, mas tomamos cuidado ao falar sobre isso publicamente".

Na quarta-feira, o presidente russo Vladimir Putin anunciou uma mobilização parcial e emitiu um aviso velado de que poderia empregar a capacidade nuclear da Rússia se suas forças fossem encurraladas.

"Quero lembrá-los de que nosso país também tem vários meios de destruição", disse Putin em um discurso televisionado. "E quando a integridade territorial de nosso país estiver ameaçada, para proteger a Rússia e nosso povo, certamente usaremos todos os meios à nossa disposição."

LEIA TAMBÉM: Separadas pela guerra, famílias ucranianas se encontram pela primeira vez

Funcionários do governo dizem que não detectaram indícios de que a Rússia esteja se preparando para usar armas nucleares. Sullivan acrescentou que o governo Biden continuará fornecendo armas para a Ucrânia apesar dos comentários de Putin.

As referências anteriores do presidente russo à capacidade nuclear de seu país, disse Sullivan, "não nos impediram de fornecer mais de US$ 15 bilhões em armas à Ucrânia" e "não nos impedirão agora".

LEIA TAMBÉM: