Essa brasileira coloriu fotos históricas e o resultado é incrível

Marina restaura imagens dando-lhes cores para valorizar os detalhes e nuances que, por vezes, estavam submersos na monocromia

Quando Marina Amaral olha para uma foto antiga, ela não enxerga apenas uma imagem preta e branca, ela vê o desafio de deixar o passado mais nítido e realista.

Dizer que a mineira de 22 anos apenas colore retratos históricos é fazer pouco de seu trabalho. Marina restaura imagens dando-lhes cores para valorizar os detalhes e nuances que, por vezes, estavam submersos na monocromia.

Da desolação da Segunda Guerra Mundial aos registros da vida em Nova York no início do século 20, a artista já coloriu mais de 300 fotos históricas.

“A minha intenção não é substituir as imagens originais, mas recriar com o maior respeito e fidelidade possível esses eventos que marcaram a história e determinaram o futuro de cada continente. Sinto que tudo o que eu leio nos livros toma vida e se torna mais real quando eu finalizo um trabalho e enxergo aquela cena em cores pela primeira vez”, afirma Marina em entrevista à Superinteressante.

Curiosa e determinada, Marina aprendeu a mexer no Photoshop assistindo a tutoriais no YouTube quando tinha 12 anos e mal sabia que, algum tempo depois, esse viria a se tornar seu principal instrumento de trabalho.

Em 2015, a jovem juntou as técnicas de edição ao fascínio por história e coloriu algumas fotos da Segunda Guerra. Desde então, não parou mais.

Apesar do Photoshop ser um programa automatizado, cada detalhe do trabalho é colorido manualmente. E, pelo resultado das imagens, é possível perceber o perfeccionismo de Marina.

“Se vejo uma pedrinha na areia da praia, sei que vou gastar pelo menos 10 minutos para construir suas cores. Imagina fazer isso com 500 pedrinhas. É como um livro de colorir gigante”, explica.

A artista conta, por exemplo, que quando reproduziu a foto da coroação da rainha Elizabeth passou um dia inteiro testando as cores que usaria nas roupas dos convidados (confira o resultado na sétima foto da lista).

Por serem fotos históricas, não basta só saber utilizar os pincéis do Photoshop com maestria. Marina tem o cuidado de procurar referências em livros, jornais da época e documentos históricos para que suas reconstituições sejam o mais fiéis possível ao período em que foram originalmente tiradas.

E é por esse cuidado todo que o trabalho da jovem é requisitado por museus, empresas e revistas – as pessoas querem ver o passado PB ganhando vida com as cores de Marina.

Texto publicado originalmente no site da revista Superinteressante

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.