Espanha quer agência para ativos imobiliários tóxicos

Banco da Espanha já teria inclusive recorrido à mesma consultora que trabalhou em um caso similar na Irlanda

A Espanha considera criar uma agência para reagrupar os ativos imobiliários de seus bancos, afirmou nesta segunda-feira à AFP o Ministério da Economia. Segundo o jornal El Mundo, o Banco da Espanha já teria inclusive recorrido à mesma consultora que trabalhou em um caso similar na Irlanda.

O Ministério considera criar uma "espécie de agência através da qual vários bancos poderiam terceirizar seus ativos imobiliários considerados de maior risco", disse uma fonte do Ministério. "Contudo, o Estado não irá intervir", completou.

Segundo a mesma fonte, trata-se de permitir que os bancos voltem a sua atividade bancária, delegando a outra instituição a tarefa de vender estes bens, ficando livres assim para participar de investimentos estrangeiros.

De acordo com o jornal El Mundo, o Banco da Espanha teria recorrido à consultora BlackRock, que trabalhou no caso irlandês, para criar um "banco ruim".

O Banco também teria recorrido à companhia Oliver Wyman, segundo o jornal.

O banco central espanhol se recusou a fazer comentários sobre estas duas sociedades.

"É um estudo que ainda está um pouco cru, estão vendo que solução seria a mais apropriada para tirar os ativos imobiliários do balanço dos bancos. O que parece claro é que não será um 'banco ruim', porque não haverá dinheiro público por trás", disse à AFP uma fonte de mercado.


O setor bancário espanhol é uma das fontes de preocupação para os mercados, fragilizados pelo estouro da bolha imobiliária em 2008. O Banco da Espanha revelou na sexta-feira que o setor acumulava 184 bilhões de euros em ativos imobiliários problemáticos ao final de 2011, ou seja, 60% de sua carteira.

A Standard and Poor's alimentou essas preocupações na quinta-feira passada, ao reduzir em dois escalões a nota soberana da Espanha, de A a BBB+.

"Vemos uma probabilidade crescente de que o governo da Espanha precisará promover apoio fiscal ao setor bancário", o que ameaçaria o objetivo de redução de déficit, explicou a agência de classificação.

Nesta segunda-feira, a agência confirmou suas advertências e reduziu entre um e dois escalões as notas de nove bancos espanhóis, entre eles, o Satander e o BBVA, assim como a da Confederação de Caixas de Poupança (Ceca).

As autoridades espanholas têm exigido ao setor bancário que assegure seus balanços frente a estes ativos imobiliários problemáticos, o que levou os bancos do país a realizar provisões de 53,8 bilhões de euros.

A Irlanda, assim como a Espanha, sofreu com o estouro imobiliário, origem da forte recessão da qual o país saiu no ano passado. A queda do mercado quase causou a quebra dos bancos da ilha, que se salvaram graças à injeção massiva de dinheiro público.

Contudo, esta intervenção elevou muito o déficit público e obrigou Dublin a pedir um resgate internacional de dezenas de bilhões de euros, com a ajuda da União Europeia e do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.