Mundo

Erdogan demite vice-presidente do Banco Central da Turquia

Demissão ocorre dez dias após Erdogan destituir o chefe do Banco Central. O banqueiro Mustafa Duman foi nomeado para o cargo

A lira enfraqueceu em resposta à decisão de Erdogan e atingiu 8,29 por dólar antes de se recuperar para 8,26 (Mehmet Ali Ozcan/Anadolu Agency/AFP)

A lira enfraqueceu em resposta à decisão de Erdogan e atingiu 8,29 por dólar antes de se recuperar para 8,26 (Mehmet Ali Ozcan/Anadolu Agency/AFP)

R

Reuters

Publicado em 30 de março de 2021 às 08h50.

O líder turco, Tayyip Erdogan, destituiu o vice-presidente do banco central, Murat Cetinkaya, de seu posto nesta terça-feira, dez dias depois de demitir o chefe do banco, uma medida chocante que fez a lira despencar cerca de 13%.

O banqueiro Mustafa Duman foi nomeado para o cargo, de acordo com o Diário Oficial do país. Ele já ocupou cargos executivos no Morgan Stanley Securities e também teve funções de tesouraria, risco e auditoria no setor financeiro, disse o banco central.

O decreto não citou o motivo para a alteração. Cetinkaya, um ex-CEO da bolsa de valores de Istambul, trabalhava desde meados de 2019 no banco central, que passou por uma rápida rotatividade em seus escalões superiores, incluindo quatro presidentes em dois anos.

A lira enfraqueceu em resposta à decisão de Erdogan e atingiu 8,29 por dólar antes de se recuperar para 8,26.

Em 20 de março, Erdogan demitiu Naci Agbal, um chefe de banco central ortodoxo que elevou a taxa de juros turca para 19% de forma a combater a inflação de dois dígitos. Sahap Kavcioglu, que apoia a visão do presidente turco de que juros altos causam inflação, foi nomeado o novo chefe da autarquia.

Acompanhe tudo sobre:Banco CentralTayyip ErdoganTurquia

Mais de Mundo

Kamala e democratas aceleram estratégia de atacar Trump em comício em Milwaukee

Líderes do Senado e da Câmara dos EUA endossam candidatura de Kamala Harris

Wegovy da Novo Nordisk é aprovado no Reino Unido para prevenção cardiovascular

Eleições EUA: Kamala tem 44% das intenções de voto e Trump, 42%, diz pesquisa Reuters/Ipsos

Mais na Exame