Erdogan chama Israel de país mais fascista e racista do mundo

O presidente turco criticou a polêmica lei aprovada na semana passada, que define Israel como o Estado-nação do povo judeu

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, classificou Israel, nesta terça-feira (24), de país "mais fascista e racista do mundo", após a votação no Parlamento israelense, na semana passada, de uma lei que define aquele país como "o Estado-nação do povo judeu".

"Esta medida demonstrou, sem deixar lugar para dúvida, que Israel é o Estado mais sionista, mais fascista e mais racista do mundo", disse Erdogan em um discurso para sua bancada parlamentar em Ancara, enquanto alguns deputados gritavam "maldita seja Israel".

O premiê israelense, Benjamin Netanyahu, reagiu, afirmando que o país de Erdogan está se tornando uma "sombria ditadura".

"Erdogan massacra sírios e curdos e prende dezenas de milhares de turcos (...) Sob seu poder, a Turquia se torna uma sombria ditadura", criticou Netanyahu em um comunicado.

"Israel defende com constância a igualdade de direitos de todos os cidadãos, antes e depois da votação desta lei", completou Netanyahu.

O texto adotado na última quinta-feira pelo Parlamento israelense designa o "Estado de Israel como o Estado-nação do povo judeu, onde este aplica seu direito natural, cultural, religioso, histórico". Afirma ainda que "o direito de exercer a autodeterminação dentro do Estado de Israel está reservado unicamente ao povo judeu".

Na semana passada, o governo turco já havia criticado esta lei, acusando as autoridades israelenses de tentarem instaurar um "Estado de Apartheid".

"O espírito de Hitler que conduziu o mundo para uma grande catástrofe voltou a florescer entre alguns dirigentes israelenses", declarou Erdogan nesta terça.

"Faço um apelo ao mundo muçulmano, à comunidade cristã, a todos os países, organismos, ONGs, jornalistas democratas e defensores das liberdades no mundo a passar à ação contra Israel", acrescentou.

Estas declarações foram dadas em meio às tensões entre Israel e Turquia, que critica regularmente a política israelense em relação aos palestinos, ou aos lugares de culto muçulmanos em Jerusalém.

Em maio, Ancara expulsou temporariamente o embaixador de Israel na Turquia pela morte de mais de 60 palestinos nas mãos de soldados israelenses na fronteira com a Faixa de Gaza, em manifestações contra a transferência da embaixada dos Estados Unidos de Tel Aviv para Jerusalém.

O presidente turco, ferrenho partidário da causa palestina, acusou Israel de "terrorismo de Estado" e de "genocídio".

Essas turbulências diplomáticas podem pôr fim à frágil normalização das relações entre os dois países, depois de uma grave crise provocada por um ataque israelense contra o barco de uma ONG turca que seguia para a Faixa de Gaza em 2010.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 1,90

Nos três primeiros meses,
após este período: R$ 15,90

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.