Em tempos de coronavírus, premiê da Hungria irá governar por decreto

Partido do primeiro-ministro Viktor Orban aprovou uma lei que lhe garante poderes irrestritos para combater o coronavírus; oposição critica medida

 O primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orban, conquistou nesta segunda-feira o direito de governar por decreto depois que seu partido Fidesz aprovou no Parlamento uma lei que lhe garante poderes adicionais irrestritos para combater o surto de coronavírus.

A legislação que prolonga um estado de emergência provocou críticas de partidos de oposição, de grupos de direitos humanos e do Conselho da Europa, o principal fórum de direitos humanos do continente, por não conter um prazo.

Ela também impõe penas de prisão de até cinco anos àqueles que atrapalharem medidas que visam conter a disseminação do vírus e àqueles que espalharem informações falsas relacionadas à crise.

Grupos de direitos humanos disseram que isso pode ser usado para amordaçar jornalistas.

O governo rejeitou as acusações, dizendo que a lei lhe dará poder para adotar somente medidas necessárias para enfrentar o vírus, e o Parlamento pode revogar os poderes especiais --mas o Fidesz tem uma maioria de dois terços no Legislativo.

"Esta é uma autorização limitada tanto no tempo quanto na abrangência... já que é unicamente relacionada ao coronavírus e vocês estão denunciando uma ditadura", disse o secretário de Estado, Bence Retvari, aos partidos opositores antes da votação.

Orban, que aumentou seu poder gradualmente durante sua década no cargo, já se chocou diversas vezes com a União Europeia e com organizações de direitos humanos por causa de sua suposta erosão dos pesos e contrapesos democráticos e do Estado de Direito.

Parlamentares de oposição disseram que, embora apoiem os esforços do governo para lidar com a crise, queriam um limite de tempo para os poderes especiais governamentais, que o Parlamento poderia prolongar novamente se necessário.

O Parlamento rejeitou todas as emendas propostas pela oposição nesta segunda-feira.

Orban disse que a epidemia deve alcançar seu pico na Hungria em junho ou julho e enalteceu um estímulo econômico a ser anunciado no mês que vem. O país acumula 447 casos confirmados de coronavírus e 15 mortes.

As últimas notícias da pandemia do novo coronavírus:

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.