Mundo

Eleição nos EUA: Anúncio da campanha de Biden chama a atenção para status de criminoso de Trump

Aposta é destinada a estados decisivos e tenta enquadrar eleição como disputa entre 'condenado e presidente que luta pela sua família' para conquistar indecisos

Manifestantes anti-Trump do lado de fora da Trump Tower antes do discurso do ex-presidente em Nova York, sexta-feira, 31 de maio de 2024 (David Dee Delgado/Getty Images)

Manifestantes anti-Trump do lado de fora da Trump Tower antes do discurso do ex-presidente em Nova York, sexta-feira, 31 de maio de 2024 (David Dee Delgado/Getty Images)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 17 de junho de 2024 às 18h12.

Última atualização em 17 de junho de 2024 às 18h20.

Tudo sobreEleições EUA 2024
Saiba mais

A campanha do presidente Joe Biden deu início nesta segunda-feira à sua ação mais agressiva para rotular o ex-presidente Donald Trump como um criminoso, com a introdução de um novo anúncio de televisão centrado na condenação criminal do candidato presidencial republicano.

A campanha explicou que o anúncio faria parte de um investimento de US$ 50 milhões (quase R$ 271 milhões) em estados decisivos em junho. Um número crescente de democratas tem instado o presidente a ser mais agressivo em destacar a condenação criminal contra Trump.

"Vemos Donald Trump como ele é”, afirma o narrador do anúncio. “Ele foi condenado por 34 crimes, considerado responsável por agressão sexual e cometeu fraude financeira.”

A campanha conclui apresentando a eleição como a escolha que a campanha de Biden pretende gravar na memória dos eleitores que não sabem se votam no democrata, cujos índices de aprovação atingiram na semana passada o ponto mais baixo de sua Presidência: "Esta eleição é entre um criminoso condenado que só defende a si mesmo e um presidente que luta pela sua família”, afirma o narrador do anúncio.

Desde a conclusão do julgamento de Trump no mês passado, os aliados do presidente democrata têm estado envolvidos numa ampla discussão sobre como usar a decisão do júri de Nova York na campanha.

Embora Trump lamente regularmente sua acusação em discursos durante comícios e em sua plataforma de rede social, Biden evitou o assunto na maior parte do tempo, com exceção de um comentário improvisado em uma arrecadação de fundos em Connecticut neste mês. O presidente não atacou Trump por sua condenação na esfera criminal diante das câmeras de televisão, embora autoridades como o governador J.B. Pritzker, de Illinois, tenham se mostrado muito menos relutantes em fazê-lo.

Em apenas dez dias, Biden e Trump se encontrarão para o primeiro debate da campanha, um evento que a equipe do presidente espera que ajude a consolidar junto aos eleitores a ideia de que as eleições de 2024 são uma escolha entre Biden e seu antecessor.

"Trump chega ao primeiro debate como um criminoso condenado que continua provando que fará qualquer coisa e prejudicará qualquer pessoa se isso significar mais poder e vingança para Donald Trump", disse Michael Tyler, porta-voz da campanha de Biden. "Toda a sua campanha é um exercício de vingança e retaliação."

Um porta-voz da campanha de Trump disse que os novos anúncios da campanha de Biden demonstraram que o democrata liderou um ataque coordenado contra o republicano – uma teoria para a qual não há evidências. Além do caso de Nova York, Trump foi indiciado em dois casos federais separados e em um caso na Geórgia.

"Joe Biden e a sua campanha são estúpidos o suficiente para destacar como armaram o sistema judicial para atacar o principal candidato presidencial e o seu adversário, a fim de interferir nas eleições", disse Steven Cheung, porta-voz da campanha de Trump. "A campanha de Biden gastou dezenas de milhões de dólares em publicidade, mas os seus números não mudaram."

Trump manteve uma vantagem estreita sobre Biden na maioria das pesquisas públicas durante meses, embora entrevistas com quase 2 mil eleitores que participaram das pesquisas nos últimos meses do The New York Times e do Siena College tenham constatado uma ligeira mudança de Trump para Biden após a condenação do ex-presidente.

Acompanhe tudo sobre:Eleições EUA 2024Estados Unidos (EUA)Joe BidenDonald Trump

Mais de Mundo

Milhões de venezuelanos no exterior não poderão votar devido a obstáculos do governo

Nicolás Maduro acusa mídia internacional na Venezuela de ser 'assassina de aluguel'

Eleições Venezuela: após Maduro falar em "banho de sangue", González Urrutia agradece Lula por apoio

Kamala Harris obtém delegados suficientes para confirmar candidatura um dia após Biden desistir

Mais na Exame