Dezenas desaparecem após naufrágio de balsa em Bangladesh

O acidente ocorreu no rio Meghna, em Gazaria, distrito de Munshiganj (centro do país)

Daca - Dezenas de passageiros de uma balsa estavam desaparecidos em Bangladesh após o naufrágio, na manhã desta sexta-feira, da embarcação, que transportava uma centena de pessoas, anunciou a polícia.

"A balsa transportava uma centena de pessoas e algumas chegaram nadando à margem", declarou uma autoridade policial à AFP.

O acidente ocorreu no rio Meghna, em Gazaria, distrito de Munshiganj (centro do país).

Segundo o administrador do distrito, mais de 50 pessoas estavam desaparecidas. "Ouvimos que 25 pessoas nadaram até a margem", declarou Saifuddin Badal à AFP.

Segundo esta autoridade, a balsa "M.V Sarosh" conectava a capital, Dacca, com o distrito de Chandpur, no sudeste do país.

Os acidentes de barcos causados pelo descumprimento das normas de segurança e pela sobrecarga são frequentes em Bangladesh. Milhares de pessoas dependem da navegação fluvial ou marítima para se deslocar em um dos países mais pobres do mundo.

Em março do ano passado, o naufrágio de uma balsa lotada que se chocou contra outra embarcação durante a noite deixou 147 mortos. Foi o naufrágio mais mortífero em Bangladesh em mais de sete anos.

Em fevereiro de 2005, 149 pessoas faleceram no naufrágio de uma embarcação no rio Buriganga, na periferia de Dacca.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.