Depois de 5 anos do último surto, Guiné tem novos casos de Ebola

O chefe da agência de saúde da Guiné confirmou que pelo menos três pessoas morreram no país devido a uma nova "situação de epidemia"

Ao menos três pessoas morreram na Guiné devido a uma nova "situação de epidemia" de febre hemorrágica do Ebola, cinco anos depois do fim do surto anterior, informou neste domingo, 14, o chefe da agência de saúde da Guiné, Sakoba Keita.

"Muito cedo nesta manhã, o laboratório de Conakry confirmou a presença do vírus do Ebola", disse Keita depois de uma reunião emergencial em Conakry, que contabilizou sete casos, três deles mortais.

O ministro da Saúde Rémy Lamah mencionou no sábado à noite um número de quatro mortos.

Este é o primeiro ressurgimento registrado da doença na África Ocidental, onde começou o pior surto na história do vírus, que matou mais de 11.300 pessoas entre 2013 e 2016.

Após uma reunião de emergência em Conakry, Keita, que lidera a Agência Nacional de Segurança Sanitária (ANSS), explicou à imprensa que uma pessoa morreu no final de janeiro em Gouecké, perto da fronteira com a Libéria.

"Seu funeral aconteceu em Gouecké em 1o de fevereiro e algumas pessoas que participaram deste funeral começaram a ter sintomas de diarreia, vômito, sangramentos e febre alguns dias depois", disse o titular do órgão de saúde.

As primeiras amostras analisadas por um laboratório instalado pela União Europea em Guéckédou, na região, revelaram a presença do vírus do Ebola em algumas delas na sexta-feira, disse.

"Isso coloca a Guiné em uma situação de epidemia de Ebola", concluiu o médico.

OMS envia ajuda

A Organização Mundial da Saúde (OMS) enviará "rapidamente" auxílio, entre eles doses de vacinas, para ajudar a  Guiné a enfrentar o ressurgimento da epidemia de febre hemorrágica de Ebola, informou neste domingo o representante da agência da ONU.

"Vamos enviar rapidamente as capacidades necessárias para apoiar a Guiné, que já tem muita experiência", declarou à imprensa o professor Alfred George Ki-Zerbo, no fim de uma reunião com as autoridades de saúde da Guiné.

"O arsenal é hoje em dia muito maior e temos que aproveitá-lo para conseguir conter esta situação o mais rápido possível", acrescentou.

"A OMS está em alerta em todos os níveis: na sede e na relação com o fabricante (de vacinas), para que as doses necessárias sejam disponibilizadas o quanto antes para ajudar", continuou o professor.

O vírus do Ebola, que provoca febre alta, dor de cabeça, vômitos e diarreia, foi identificado pela primeira vez em Zaire, atual República Democrática do Congo, em 1976.

No momento, existem duas vacinas experimentais, mas não há nenhum tratamento capaz de curar o vírus, que já provocou o terror várias vezes na África.

O desenvolvimento de vacinas contra o vírus do Ebola se acelerou depois da pior epidemia desta doença, particularmente fatal, que começou em dezembro de 2013 na Guiné e se propagou para a Libéria e Serra Leoa, mas acabou alcançando um total de dez países com casos na Espanha e Estados Unidos.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também