Mundo

Damasco rejeita partilha da Síria proposta por Kerry

A nota afirmou que o povo sírio "está mais determinado do que nunca a pôr fim ao terrorismo e defender a unidade e a independência da Síria"


	John Kerry: na segunda-feira, EUA e Rússia chegaram a um acordo para a cessação das hostilidades na Síria a partir da meia-noite de 27 de fevereiro
 (REUTERS/Jacquelyn Martin/Pool)

John Kerry: na segunda-feira, EUA e Rússia chegaram a um acordo para a cessação das hostilidades na Síria a partir da meia-noite de 27 de fevereiro (REUTERS/Jacquelyn Martin/Pool)

DR

Da Redação

Publicado em 24 de fevereiro de 2016 às 13h19.

Damasco - O governo sírio criticou nesta quarta-feira o secretário de Estado americano, John Kerry, por suas "declarações irreais" de uma hipotética partilha da Síria se o cessar-fogo previsto para começar sábado fracassar.

Em comunicado, uma fonte do Ministério de Relações Exteriores dda Síria destacou que o país "condena as declarações de Kerry que se desviam dos fatos no terreno e vêm no contexto de acusações para esconder a responsabilidade dos Estados Unidos sobre todos os terroristas".

Ontem, Kerry informou ao Senado americano que Washington se movimentaria em direção a um plano B, que envolveria a divisão da Síria, se a trégua estipulada entre EUA e Rússia no território sírio não se materializasse ou se não se houvesse nos próximos meses uma transição rumo a um governo interino.

Para o ministério sírio, "os Estados Unidos, seus aliados e seus instrumentos na região são responsáveis pela explosão da crise (síria) e de sua continuação através do apoio constante ao terrorismo".

A nota afirmou que o povo sírio "está mais determinado do que nunca a pôr fim ao terrorismo e defender a unidade e a independência da Síria".

Na segunda-feira, EUA e Rússia chegaram a um acordo para a cessação das hostilidades na Síria a partir da meia-noite de 27 de fevereiro, que foi aceito pelo Executivo de Damasco e pela Comissão Suprema para as Negociações, a principal aliança opositora.

Acompanhe tudo sobre:Estados Unidos (EUA)John KerryPaíses ricosPolíticosSíria

Mais de Mundo

Líderes mundiais condenam tentativa de assassinato de Trump

Ataque a Trump: o que sabemos sobre os tiros disparados contra o ex-presidente dos EUA

Trump pede 'união' dos americanos após atentado a tiros em comício eleitoral

Ataque a Trump: "Ainda é cedo para dizer se atirador agiu sozinho", dizem autoridades

Mais na Exame