Cristina Kirchner será julgada por suposto cartel em obras públicas

A ex-presidente responde a supostas irregularidades em licitações durante seu governo e está à espera do início de outros quatro julgamentos

Buenos Aires - Um juiz anunciou nesta segunda-feira o julgamento contra a vice-presidente da Argentina, Cristina Kirchner, pelo suposto cartel em obras públicas que operou durante o período em que foi presidente do país.

Esta vista oral, que será comandada pelo juiz de instrução Claudio Bonadio e ainda não tem data de início definida, colocará novamente no banco dos réus a ex-presidente, que desde maio responde a supostas irregularidades na concessão de licitações públicas durante seu governo e está à espera do início de outros quatro julgamentos.

Bonadio, que está encarregado da maioria dos processos que envolvem a ex-mandatária, diz que neste caso, entre 2003 e 2015, foi criado um "sistema de angariação de fundos para coletar dinheiro ilegal a fim de enriquecerem ilegalmente, sendo empresários, funcionários e parceiros deste plano sistemático".

O expediente é uma derivação da "causa dos cadernos", que foi descoberta em agosto do ano passado, após encontrarem alguns cadernos nos quais um motorista do ministério de Obras Públicas supostamente observou por mais de uma década como ele transportava de maneira habitual milhões de dólares com os quais os empresários subornavam representantes do governo.

Por um longo tempo, a atual vice-presidente afirma que todas as acusações são falsas e que ela é uma vítima de uma perseguição política e judicial promovida pelo ex-presidente Mauricio Macri.

Sua acusação no caso de suposta cartelização da obras públicas, decidida por Bonadio em junho passado, foi confirmada no final de outubro passado pela Câmara Federal, um tribunal de apelação.

No último dia 2, Cristina Kirchner teve que testemunhar pela primeira vez em um julgamento e foi muito crítica em relação à situação.

"Certamente este tribunal, que é um tribunal de 'direito', tem a condenação por escrito. Não estou interessada. Escolhi a história antes que me absolverem. Fui absolvida pela história e você certamente condenará a história", concluiu Cristina Kirchner, para se levantar sem aceitar perguntas dos juízes.

Em seu discurso de posse, no último dia 10, Alberto Fernández se referiu à reforma que seu governo promoverá para que "nunca mais" exista uma justiça que "decida e prossiga de acordo com os ventos políticos que estarão no cargo no momento".

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.