• AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
  • AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
Abra sua conta no BTG

Crise escala: Otan faz reunião extraordinária sobre Rússia e Ucrânia

Situação no leste europeu tem sido pauta de potências ocidentais nas últimas semanas. O presidente russo, Vladimir Putin, disse que responderá no caso de movimentação da Otan na Ucrânia
Jens Stoltenberg, secretário-geral da Otan: tensões crescentes no leste europeu (Getty Images/Win McNamee)
Jens Stoltenberg, secretário-geral da Otan: tensões crescentes no leste europeu (Getty Images/Win McNamee)
Por Da RedaçãoPublicado em 07/01/2022 06:00 | Última atualização em 07/01/2022 13:16Tempo de Leitura: 5 min de leitura

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia.

Já há algumas semanas, as tensões entre Rússia e Ucrânia se tornaram a principal pauta na agenda externa das potências do Ocidente. E apesar de negociações recentes, o cenário pouco avançou. Até agora: o tema volta a ser discutido nesta sexta-feira, 7, em uma reunião extraordinária da Otan, aliança militar ocidental, que acontece antes de uma série de outros encontros previstos para a semana que vem.

A reunião (que será virtual) foi marcada dias antes, em meio à escalada das tensões desde o fim do ano passado. O encontro contará com a presença dos ministros das Relações Exteriores dos membros e da própria Ucrânia.

  • A pandemia mexeu com a economia e os negócios no mundo todo. Descubra com a EXAME como proteger seu patrimônio.

A base do confronto vem de disputas territoriais na região do leste europeu, incluindo outros países vizinhos, como a Geórgia. Na prática, as relações pioraram desde a anexação da Crimeia pela Rússia em 2014, então parte do território ucraniano.

Criou-se uma tensão constante de que mais anexações poderiam ser feitas. Na outra ponta, a Rússia exige que a Otan deixe de se aproximar da Ucrânia, que por sua vez, visa há anos ingressar na organização e na própria União Europeia.

A aproximação dos países do leste europeu - antiga rota de influência da União Soviética - com a Europa Ocidental e a Otan é motivo principal da desavença com a Rússia há mais de uma década.

 

O governo do presidente Vladimir Putin nega que esteja planejando uma invasão à Ucrânia, e acusa a Otan de estar interferindo em seu território. Dos dois lados, demonstrações militares viraram comuns nas regiões de fronteiras. 

Nova tentativa

O encontro de hoje entre os membros da Otan é uma preparação para uma agenda mais ampla. Estão marcadas reuniões no dia 10 e no dia 12, esta última com a presença de diplomatas russos, em mais uma tentativa de negociação entre as partes. Uma reunião entre o vice-chanceler de Rússia e EUA também está prevista em Genebra, na Suíça.

A disputa no leste europeu também foi um dos temas discutidos em conversas recentes entre o presidente americano, Joe Biden, e russo, Vladimir Putin, e deve seguir prioritário na pauta externa dos dois países. Apesar de Biden e Putin terem tido até mesmo um encontro presencial no ano passado, as relações seguem complexas, e o mandatário americano tem feito discursos frequentes em defesa da independência ucraniana.

Enquanto isso, à União Europeia a discussão também é crucial, uma vez que o bloco depende amplamente das exportações de gás da Rússia, além de ser mais impactado geograficamente com as tensões no leste europeu, com fluxo de imigrantes e riscos militares.

Desta vez, os líderes europeus, que por vezes foram mais cautelosos do que os EUA contra a Rússia, parecem estar subindo o tom. O principal diplomata da UE, Josep Borrell, foi à Ucrânia nesta semana para uma viagem de dois dias, de modo a demonstrar apoio ao país. "A UE não pode ser um espectador neutro nas negociações se a Rússia de fato quiser discutir a arquitetura da segurança da Europa", disse, conforme reportou a agência Reuters.

Outra mudança é a eleição de um novo governo na Alemanha, com partidos mais à esquerda (a ministra das Relações Exteriores é Annalena Baerbock, do Partido Verde). Ao menos na campanha, os partidos prometeram uma posição mais dura contra governos como de Hungria, Polônia, Rússia e China. A prática é outra história.

Assim, o objetivo da reunião desta sexta-feira na Otan será uma discussão entre os aliados sobre como proceder a partir de agora. Em nota, a Otan disse oficialmente que os membros irão "discutir o avanço militar da Rússia na Ucrânia e em seu entorno, além de questões mais amplas de segurança europeia". Ao fim do encontro, o secretário-geral, Jens Stoltenberg, fará comunicado à imprensa.

Se não bastassem os problemas entre Rússia e Ucrânia, a reunião acontece ainda em meio a protestos no Cazaquistão, outra ex-república soviética e aliado da Rússia. As manifestações começaram pelo preço do gás e já deixam mais de 1.000 feridos em confrontos com a polícia, e a Rússia enviará tropas para, segundo o governo, ajudar na estabilização da região - caso as tensões escalem, a repressão aos protestos também pode virar alvo de questionamentos por parte de líderes europeus.

A agenda nos próximos dias é extensa, mas a missão de equilibrar o jogo de forças no leste europeu segue tão difícil como sempre.