Cresce a venda de comida ultraprocessada na América Latina

"Alimentos ultraprocessados e 'fast foods' representam uma parte cada vez maior do que as pessoas comem e bebem na América Latina", disse assessor da Opas

As vendas de alimentos ultraprocessados, como comida rápida e bebidas açucaradas aumentaram na América Latina, impulsionando um crescimento das taxas de obesidade na região, informou nesta terça-feira a Organização Pan-americana da Saúde (Opas).

"Alimentos ultraprocessados e 'fast foods' representam uma parte cada vez maior do que as pessoas comem e bebem na América Latina, com resultados muito negativos", disse o assessor da Opas sobre Nutrição, Enrique Jacoby, citado em um comunicado.

Um estudo da Opas examinou dados sobre bebidas gaseificadas, doces, cereais, sorvetes, bebidas energéticas, molhos, massas e comidas congeladas, e determinou que suas vendas per cápita entre 2000 e 2013 subiram 26,7% em 13 países latino-americanos.

Em contraste, o consumo per cápita dos produtos ultraprocessados caiu 9,8% nos Estados Unidos e no Canadá.

O maior crescimento foi registrado no Uruguai, com 146%, seguido de Bolívia (130%) e Peru (107%).

A venda de fast food - que o estudo analisa separadamente - aumentou 38,9% durante o período, com os brasileiros e peruanos situando-se entre os maiores consumidores desses alimentos altamente calóricos.

A Opas, com sede em Washington, também analisou dados estatísticos em Argentina, Chile, Colômbia, Costa Rica, Equador, Guatemala, México, República Dominicana e Venezuela.

Para o nutricionista e coautor do estudo, Jean-Claude Moubarac, "a América Latina e outras regiões em desenvolvimento se transformaram em atraentes mercados para os fabricantes de alimentos industrializados, especialmente quando os mercados de alta renda ficam saturados ou começam a reduzir o consumo desses produtos".

Os especialistas advertem sobre as consequências negativas na saúde: esses alimentos estão suplantando as dietas tradicionais mais nutritivas e o aumento em seu consumo está estreitamente relacionados com a prevalência da obesidade em adultos em 12 dos países estudados.

Os alimentos ultraprocessados são "duplamente prejudiciais", disse Jacoby.

"São quase viciantes e levam a um aumento do peso e da obesidade, enquanto substituem os alimentos frescos, que são a base de uma dieta natural rica em nutrientes", acrescentou o analista.

A Opas recomenda aos governos e às organizações civis que apoiem e implementem políticas para promover os alimentos saudáveis, incluindo normas de preços e incentivos agrícolas para proteger os cultivos tradicionais, e campanhas para promover sua inclusão nas escolas e a preparação caseira de comidas.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.