Mundo

Coreia do Norte dispara mais quatro mísseis balísticos neste sábado

EUA e Coreia do Sul estenderam exercícios aéreos em larga escala até sábado, em resposta às recentes provocações de Pyongyang

(Janeiro) Passageiros em estação de trem sul-coreana assistem a imagens de arquivo de um teste militar da Coreia do Norte (AFP/AFP)

(Janeiro) Passageiros em estação de trem sul-coreana assistem a imagens de arquivo de um teste militar da Coreia do Norte (AFP/AFP)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 5 de novembro de 2022 às 11h10.

A Coreia do Norte disparou quatro mísseis balísticos de curto alcance em sua costa oeste neste sábado, enquanto os Estados Unidos e a Coreia do Sul encerravam exercícios aéreos conjuntos que foram estendidos em resposta às provocações de Pyongyang.

Quer receber os fatos mais relevantes do Brasil e do mundo direto no seu e-mail toda manhã? Clique aqui e cadastre-se na newsletter gratuita EXAME Desperta.

Os mísseis foram disparados entre 11h32 e 11h59, horário local, da província de Pyongan do Norte, localizada no noroeste do país disseram militares em Seul. Os mísseis voaram cerca de 80 milhas, atingindo uma altitude de aproximadamente 12 milhas.

Washington e Seul estenderam exercícios aéreos em larga escala até sábado em resposta às recentes provocações de Pyongyang, incluindo o lançamento de um míssil balístico intercontinental e o disparo de centenas de projéteis de artilharia.

A Coreia do Norte disparou dezenas de mísseis enquanto os exercícios estavam em andamento, incluindo um que desencadeou alertas de ataque aéreo em uma ilha sul-coreana.

A Coreia do Norte criticou a extensão dos exercícios aéreos, acusando os Estados Unidos e a Coreia do Sul de um "erro irrevogável e terrível" em uma reportagem de quinta-feira na mídia estatal.

Na sexta-feira, um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores de Pyongyang disse que a grave situação de segurança na região foi causada pelos Estados Unidos e pela Coreia do Sul e ameaçou responder com "reação mais dura", segundo uma reportagem da mídia estatal.

Na sexta-feira, Linda Thomas-Greenfield, embaixadora americana nas Nações Unidas, pediu ao Conselho de Segurança da ONU que responsabilize a Coreia do Norte por suas ações, chamando o recente teste do míssil de "particularmente preocupante".

Contexto

Os esforços liderados pelos Estados Unidos para impor sanções adicionais à Coreia do Norte foram bloqueados pela China e pela Rússia, que defendem o relaxamento das sanções. Na reunião da ONU, representantes de Pequim e Moscou acusaram Washington de instigar os recentes lançamentos de mísseis de Pyongyang ao retomar exercícios militares em larga escala.

Encerrando os exercícios aéreos no sábado, bombardeiros americanos B-1B e caças a jato sul-coreanos sobrevoaram a Península Coreana pela primeira vez desde dezembro de 2017. A Coreia do Norte realizou mais de 30 lançamentos de mísseis em 2022, o máximo que já fez em um único ano.

Em setembro, o líder norte-coreano Kim Jong Un disse que nunca desistiria de suas armas nucleares para combater os Estados Unidos. Pyongyang rejeitou as repetidas ofertas do governo Biden para se encontrar e negociações formais de desnuclearização não ocorrem há três anos.

Washington e Seul responderam aos testes de armas de Pyongyang com seus próprios lançamentos de mísseis, além de exercícios militares. Autoridades em Seul alertaram que Pyongyang concluiu os preparativos para realizar seu sétimo teste nuclear, que seria a primeira vez desde 2017. Washington tem a capacidade de responder rapidamente a um futuro teste nuclear de Pyongyang, disse a porta-voz do Pentágono Sabrina Singh nesta sexta-feira.

LEIA TAMBÉM:

Acompanhe tudo sobre:Coreia do NorteCoreia do SulEstados Unidos (EUA)

Mais de Mundo

Eleição nos EUA: Trump vai inflamar ou moderar o discurso na convenção republicana?

Biden continua apresentando sintomas leves de covid-19, diz médico do presidente

Aliada de Macron é eleita presidente do Parlamento em 1º teste de forças após as eleições na França

Maduro fala em risco de 'banho de sangue' se for derrotado nas eleições da Venezuela; veja vídeo

Mais na Exame