Mundo

Coreia do Norte ameaça EUA sobre inclusão na lista terrorista

O Departamento de Estado dos EUA estuda a possibilidade de incluir novamente Pyongyang na lista após Seul ter solicitado a medida

Líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un: País testou lançar um míssil no último sábado (15) (KCNA/Reuters)

Líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un: País testou lançar um míssil no último sábado (15) (KCNA/Reuters)

E

EFE

Publicado em 4 de março de 2017 às 09h12.

Última atualização em 4 de março de 2017 às 09h13.

Seul -- A Coreia do Norte advertiu que os Estados Unidos "pagarão um alto preço" por voltarem a considerar a inclusão do regime de Kim Jong-un em sua lista de países que patrocinam o terrorismo.

"Os Estados Unidos se darão conta do alto preço que terão que pagar por suas acusações sem fundamento contra a Coreia do Norte", expressou um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores norte-coreano em comunicado recolhido pela agência estatal "KCNA" na noite de sexta-feira.

O Departamento de Estado dos EUA estuda a possibilidade de incluir novamente Pyongyang na lista após Seul ter solicitado a medida por saber que Kim Jong-nam, irmão mais velho do líder norte-coreano, foi assassinado na Malásia com o agente químico VX, crime pelo qual o Sul acusa o Norte.

Pyongyang negou desde o princípio ter envolvimento, responsabilizou a Malásia pela morte de Kim Jong-nam e acusou Kuala Lumpur e EUA de terem confabulado com Seul para jogar a culpa no regime norte-coreano.

A Coreia do Norte disse se opor "a qualquer forma de terrorismo e qualquer apoio ao mesmo", postura que diz ter "demonstrado consistentemente na prática", segundo o texto.

O regime de Kim jong-un acusou Washington de querer incluí-lo na lista "apesar de não ter nada em comum com ela", uma decisão que considera uma "expressão de repugnância" e "atitude hostil" por parte do governo americano.

"Não importa que os Estados Unidos volte a chamar a Coreia do Norte de 'patrocinador do terrorismo' em linha com seus padrões e interesses, este país nunca será um 'patrocinador do terrorismo'", insistiu o porta-voz no comunicado.

A Coreia do Norte foi incluída na lista após o atentado perpetrado em 1987 por dois agentes de Pyongyang que colocaram uma bomba em um avião comercial sul-coreano cuja explosão matou os 115 ocupantes.

Em 2008, o governo de George W. Bush retirou Pyongyang da lista graças aos progressos nas conversas de seis lados para tentar conseguir a desnuclearização do regime.

A Coreia do Sul pediu no final de fevereiro que os EUA voltassem a incluir o Norte na lista por causa do assassinato de Kim Jong-nam na Malásia, pelo qual responsabiliza o país vizinho.

Acompanhe tudo sobre:Coreia do NorteCoreia do SulEstados Unidos (EUA)MalásiaSeul

Mais de Mundo

Apagão cibernético já gerou cancelamento de quase 1.400 mil voos pelo mundo; veja situação por país

António Guterres se diz "decepcionado" após Parlamento de Israel votar contra Estado palestino

Parlamento de Israel votou contra criação de Estado palestino por considerar 'ameaça existencial'

Tudo o que se sabe sobre o 'apagão cibernético' que afetou aeroportos e até a bolsa de valores

Mais na Exame