Mundo

Conheça Tim Scott, senador republicano que lançou candidatura à presidência nos EUA

Caso seja eleito, Tim seria o primeiro presidente republicano negro dos Estados Unidos

Senador Tim Scott é o segundo afro-americano a entrar na disputa pelas primárias republicanas de 2024. (AFP/AFP)

Senador Tim Scott é o segundo afro-americano a entrar na disputa pelas primárias republicanas de 2024. (AFP/AFP)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 22 de maio de 2023 às 18h47.

O senador americano Tim Scott, da Carolina do Sul, lançou nesta segunda-feira (22) sua pré-candidatura para se tornar o primeiro presidente republicano negro dos Estados Unidos, prometendo lutar por um retorno ao "estilo de vida americano" que ele disse estar sob ameaça no governo do democrata Joe Biden. 

Scott, de 57 anos, traz uma história de vida inspiradora para a campanha, tendo saído da pobreza em uma família monoparental para se tornar um dos conservadores mais influentes do país.

"Joe Biden e a esquerda radical estão atacando cada degrau da escada que me ajudou a subir, e é por isso que estou anunciando hoje que estou concorrendo à Presidência dos Estados Unidos", disse ele a apoiadores em sua cidade natal, North Charleston.

"Vejam, eles estão atacando nossos valores americanos, nossas escolas, nossa economia e nossa segurança. Mas não sob o meu comando. Não sob o meu comando. Isso não vai acontecer. Não posso ficar parado enquanto se faz isso com a América", declarou.

Scott passou meses visitando os estados considerados cruciais para ganhar um impulso inicial na disputa das primárias. Nessas viagens, destacou sua fé cristã e sua perspectiva única como o único afro-americano entre os senadores republicanos.

C0nservadorismo

Scott se a une a um campo crescente de candidatos com a esperança de se aproximar do favorito Donald Trump, mas a tarefa se mostra desafiadora. Pesquisas recentes indicam que ele conta com apenas 2% de apoio, 54 pontos atrás do ex-presidente (2017-2021), aproximadamente.

Os demais pré-candidatos são a primeira embaixadora de Trump nas Nações Unidas e ex-governadora da Carolina do Sul, Nikki Haley; o ex-governador do Arkansas Asa Hutchinson; e Larry Elder, um locutor de rádio e primeiro afro-americano a entrar na corrida pela nomeação republicana.

Os holofotes se voltam, porém, para o governador da Flórida, Ron DeSantis, que deve lançar sua pré-candidatura presidencial na próxima semana. Por enquanto, aparece como o adversário com mais chances de vencer Trump nas primárias republicanas.

O ex-presidente, que se beneficia de um campo lotado que dividiria o voto anti-Trump, acessou sua plataforma de mídia social para desejar boa sorte a Scott — enquanto criticava DeSantis.

"Está lotando rapidamente com muitas pessoas, e Tim é um grande passo à frente de Ron DeSanctimonious, que é totalmente inelegível", disse Trump, fazendo um trocadilho para chamar seu oponente de "hipócrita".

Considerado um dos mais profícuos arrecadadores de fundos do Senado, Scott chega com um caixa de cerca de US$ 22 milhões (em torno de 110 milhões de reais na cotação atual) e o notável apoio do número dois do partido Senado, o republicano John Thune, que se referiu ao amigo como "o melhor de todos".

Acompanhe tudo sobre:Estados Unidos (EUA)Eleições americanas

Mais de Mundo

"Biden está passando vergonha e precisa desistir", diz editorial do NYT

Israel ordena novas evacuações em todos os bairros da Cidade de Gaza

Canadá se tornou um dos líderes globais em roubos de carros

Os 10 países mais baratos para quem quer morar fora — Brasil entrou para o ranking

Mais na Exame