Congresso do Chile rejeita moção de impeachment de Piñera

Presidente chileno é acusado de não prevenir o abuso de direitos humanos após semanas de protestos

Santiago — Parlamentares chilenos votaram nesta quinta-feira contra o avanço de um possível impeachment do presidente, Sebastián Piñera, acusado de não prevenir o abuso de direitos humanos após semanas de protestos.

Os parlamentares rejeitaram a moção, alegando que ela não atingiu o limiar constitucional necessário para depor um presidente em exercício.

A rejeição foi decidida em uma votação apertada em uma sessão de debate que durou seis horas. O placar foi de 79 votos a favor e 73 contra a chamada "questão prévia", cuja aprovação faria com que o pedido, apresentado em 19 de novembro, não fosse analisado.

Além de "graves violações dos direitos humanos cometidas desde a explosão social", Piñera era acusado de "comprometer seriamente a honra da nação" e de ter infringido a Constituição

Esta foi a segunda iniciativa do gênero na história do Chile contra um presidente em exercício - a primeira foi apresentada em 1956 contra Carlos Ibáñez del Campo e também bloqueda.

Para que o pedido contra Piñera prosperasse, era necessária, além da aprovação por maioria na Câmara dos Deputados (78 votos), o apoio subsequente de dois terços do Senado.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.