Comunidade internacional defende cessar-fogo e diálogo na Líbia

Cinco instituições destacaram que o conflito deve acabar com o "derramamento de sangue" no país

Cairo - Os dirigentes da ONU, União Europeia, Liga Árabe, União Africana e a Organização para a Conferência Islâmica sublinharam nesta quinta-feira no Cairo a necessidade de alcançar um cessar-fogo na Líbia e começar um processo de diálogo.

"Estamos preocupados com a escalada de violência e as vítimas civis" na Líbia, revelou o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, que presidiu a reunião na sede da Liga Árabe, no centro da capital egípcia.

Além disso, as cinco instituições destacaram a importância da reunião desta quinta-feira para acabar com o "derramamento de sangue" na Líbia e permitir a assistência humanitária que a União Europeia se comprometeu a assumir em caso de a ONU assim pedir.

"O regime líbio perdeu sua legitimidade", declarou a chefe da diplomacia da União Europeia (UE), Catherine Ashton, que ressaltou "a necessidade de terminar com a violência contra os cidadãos e respeitar os direitos humanos".

Ashton também resumiu as prioridades da comunidade internacional no cessar fogo, a proteção dos civis, a ajuda humanitária e a transição política em direção à democracia dirigida pelo povo líbio.

Antes da reunião, dezenas de líbios defensores do líder Muammar Kadafi se manifestaram em frente à sede da Liga Árabe.

Outros grupos formados por dezenas de detratores de Kadafi chegaram ao local levando bandeiras rebeldes e tomaram o lugar após um breve confronto com pedras como munição.

Além de Ashton e Ban, à reunião, que foi classificada sem exceção de muito útil pelos participantes, estiveram presentes o secretário-geral da Organização para a Conferência Islâmica, Ekmeledin Hassan Oglo, e o presidente da comissão da União Africana, Jean Ping.

Em 17 de fevereiro explodiu um protesto popular na cidade líbia de Benghazi, a segunda do país, que se estendeu por todo o leste do país e inúmeras localidades.

Os protestos civis ganharam força em uma insurreição armada quando os cidadãos pegaram as armas abandonadas nos quartéis pelas forças armadas de Kadafi que em breve passaram a contra-ofensiva.

Desde então rebeldes e pessoas leais a Kadafi se enfrentam pelo controle do país em um conflito armado no qual a comunidade internacional teve de intervir para impor área de exclusão aérea para proteger os civis.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.