Mundo

Comunicado em site ligado à Al Qaeda garante continuidade da "jihad"

Seguidor da organização informa que o grupo retomará a "guerra islâmica contra a heresia"

Segundo o site, a Al Qaeda não vai chorar a morte de Bin Laden nem fazer luto pelo líder (Getty Images)

Segundo o site, a Al Qaeda não vai chorar a morte de Bin Laden nem fazer luto pelo líder (Getty Images)

DR

Da Redação

Publicado em 2 de maio de 2011 às 09h21.

Cairo - Um comunicado divulgado em um site ligado à rede terrorista Al Qaeda assegurou hoje que a jihad (guerra santa) contra os "infiéis" continuará, e que a morte do líder da organização, Osama bin Laden, não será chorada.

"Dizemos a (Barack) Obama que não vamos chorar por Osama, não ficaremos tristes por sua morte, não aceitaremos o luto por ele, não vamos escrever homenagens e iremos sim lhes dar alguns dias para comemorar e depois retomaremos a guerra islâmica contra a heresia", diz o comunicado, assinado por Hussein bin Mahmoud, um seguidor da Al Qaeda.

A nota foi publicada pelo site "Ansar al Mujahideen", na qual costumam ser divulgadas notas da Al Qaeda e grupos aliados.

"Não queremos operações aqui e lá como vingança, queremos operações qualitativas, que sejam planejadas com sabedoria e paciência para que tragam frutos e façam com que os atentados de Washington sejam esquecidos", disse Mahmoud, colaborador habitual desta e de outras páginas ligadas à rede terrorista.

Além disso, ele adverte sobre os atos de vingança e atentados individuais e esporádicos porque, segundo ele, na maioria dos casos têm "resultados contraditórios".

O comunicado pede no final aos dirigentes terroristas que se "reorganizem" e anunciem um sucessor de Bin Laden, e que comecem a preparar a próxima etapa.

Acompanhe tudo sobre:Al QaedaIslamismoOsama bin LadenPolíticosTerrorismo

Mais de Mundo

Legisladores democratas aumentam pressão para que Biden desista da reeleição

Entenda como seria o processo para substituir Joe Biden como candidato democrata

Chefe de campanha admite que Biden perdeu apoio, mas que continuará na disputa eleitoral

Biden anuncia que retomará seus eventos de campanha na próxima semana

Mais na Exame