Comey teria sido demitido por negar lealdade a Trump, diz NYT

Segundo a publicação, quando o presidente assumiu o cargo, ele exigiu ao ex-diretor do FBI "lealdade", mas este apenas lhe ofereceu "honestidade"

Washington - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, quando assumiu o cargo em janeiro, exigiu ao ex-diretor do FBI, James Comey, "lealdade", mas este apenas lhe ofereceu "honestidade", algo que poderia ter custado seu cargo, segundo publicação feita nesta sexta-feira pelo jornal "The New York Times".

O diálogo aconteceu durante um jantar privado, uma semana depois da posse de Trump, ocorrida no dia 20 de janeiro, segundo explicou Comey a alguns de seus colegas, que após sua demissão, na última terça-feira, falaram sob condição de anonimato ao jornal nova-iorquino.

Em um ponto da conversa, depois que Trump comemorou sua vitória nas eleições, o presidente pediu para Comey "jurar lealdade".

Este rejeitou o pedido e, em seu lugar, prometeu que sempre seria "honesto" com ele, mas insistiu em que não seria "confiável" no sentido político.

De acordo com a versão do ex-diretor do FBI, insatisfeito com a resposta, Trump pediu mais duas vezes para que ele fizesse o juramento, mas James Comey não cedeu.

Comey acredita agora que esse jantar foi "um prenúncio de sua queda", segundo o "The New York Times".

Uma porta-voz da Casa Branca, Sarah Huckabee Sanders, disse ao jornal que a versão do ex-diretor do FBI não se trata de um "relato preciso" do que aconteceu no jantar e que o presidente nunca exigiria "lealdade pessoal", mas ao povo e aos EUA.

A alegação de Donald Trump para a demissão de James Comey foi de suposta falha na investigação contra Hillary Clinton pelo uso de contas privadas de e-mail quando ela era secretária de Estado para comunicações com informação confidencial.

No entanto, a decisão do presidente tem gerado uma grande controvérsia, pois Comey era o responsável por comandar a investigação sobre a suposta interferência da Rússia nas últimas eleições presidenciais e a relação entre funcionários do Kremlin e membros da campanha eleitoral de Trump.

Ontem, em uma entrevista para a emissora "NBC", Donald Trump chamou Comey de "fanfarrão" e que o FBI estava "fora de controle" há bastante tempo.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.