Mundo

Cometa que passa pela Terra uma vez a cada 69 anos foi visto neste sábado; veja fotos

Fenômeno esteve à vista com o auxílio de binóculos, na direção da constelação de Lince

Especial: cometa 13P/Olbers, que só pode ser visto da Terra a cada 69 anos (RikenTenmon/Reprodução)

Especial: cometa 13P/Olbers, que só pode ser visto da Terra a cada 69 anos (RikenTenmon/Reprodução)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 7 de julho de 2024 às 11h16.

Última atualização em 7 de julho de 2024 às 11h27.

A passagem do cometa 13P/Olbers, que só pode ser visto da Terra a cada 69 anos, atingiu seu brilho máximo neste sábado, 06. Nas redes sociais, especialistas e amadores publicaram imagens do fenômeno em Ehime, no Japão, e Indianapolis, nos Estados Unidos.

Segundo o Observatório do Valongo, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), o fenômeno poderia ser visto em céus escuros com o auxílio de binóculos, na direção da constelação de Lince, principalmente no Norte e no Nordeste do Brasil, em locais sem poluição luminosa.

LEIA MAIS: 20 coisas que a ciência já descobriu sobre os cometas

Descoberto por Heinrich Wilhelm Matthias Olbers (Bremen) em março de 1815, o cometa 13P/Olbers é considerado como um "tipo Halley", um ponto brilhante frequentemente estudado pelos astrônomos, posto que há especulações sobre sua órbita ser acompanhada de uma chuva de meteoros associada em Marte.

Os cometas são corpos celestes que se originaram após a criação do nosso sistema solar há aproximadamente 4600 milhões de anos.

São compostos de gelo seco, água, rocha e outras substâncias como amoníaco, metano e alguns metais que, por estarem a temperaturas muito baixas, permanecem congelados.

Além da passagem do cometa, julho também será marcado por uma chuva de meteoros Delta Aquáridas, visível de todo o Brasil. O fenômeno terá seu pico no dia 31 de julho, mas já pode ser observado a partir do dia 12 deste mês.

Quais outros cometas poderão ser vistos este ano?

Como esses fenômenos astronômicos não são tão frequentes, talvez seja necessário experimentar sua observação ao menos uma vez na vida. Segundo a National Geographic, este ano o universo nos surpreenderá com outros cometas:

27 de setembro: o cometa C/2023 A3 (Tsuchinshan-ATLAS) tem potencial para se tornar, nesta data, um “grande cometa”. Segundo o Instituto SETI, “seu brilho será comparável ao das estrelas mais luminosas”. Por conta disso, não será necessário nenhum equipamento extra para observá-lo. Além disso, poderá ser visto de todos os hemisférios.

29 de novembro: o cometa 333P/LINEAR será muito menor que os demais, sendo necessário um pequeno telescópio ou grandes binóculos para vê-lo. Trata-se de um cometa com período orbital de 8,7 anos.

Acompanhe tudo sobre:Astronomia

Mais de Mundo

Campanha de Biden ignora críticas e afirma que ele voltará à estrada em breve

Jovens da Venezuela se preparam para sua primeira eleição

Trump retoma campanha contra um Biden enfraquecido

Programa espacial soviético colecionou pioneirismos e heróis e foi abalado por disputas internas

Mais na Exame