A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Começa julgamento contra supostos assassinos de ex-premiê

Começou o julgamento à revelia dos quatro supostos assassinos do ex-primeiro-ministro libanês Rafik Hariri

Haia - Começou nesta quinta-feira em Haia (Holanda), no Tribunal Especial para o Líbano (TEL), o julgamento à revelia dos quatro supostos assassinos do ex-primeiro-ministro libanês Rafik Hariri, todos os acusados membros da milícia radical xiita Hezbollah.

O julgamento ocorrerá como se os quatro estivessem presentes na sala e admitido sua culpa. Hariri foi assassinado em fevereiro de 2005 em um atentado com um caminhão-bomba carregado com duas toneladas de TNT. A ação causou, ao todo, a morte de 22 pessoas e deixou 226 feridas.

O ataque fez com que a Síria, acusada de ter ordenado o crime, retirasse suas tropas do país vizinho após quase três décadas.

Os acusados pelo atentado são Salim Jamil Ayash, Mustafa Amine Badredine, Hussein Hassan Oneisi e Assad Hassan Sabra, todos de nacionalidade libanesa.

Os quatro são acusados de organizar um complô para cometer um ato terrorista, perpetrar um atentado com explosivos, homicídio intencional de Hariri e de outras 21 pessoas e tentativa de homicídio com premeditação e uso de explosivos de outras 226 pessoas.

A promotoria abriu sua alegação com um relato detalhado dos fatos ocorrido no dia do atentado, com imagens da rota seguida pelo caminhão-bomba e no comboio de Hariri.

"Os movimentos feitos por Hariri serão muito significativos no desenrolar do julgamento", afirmou um dos promotores do caso.

O Tribunal do Líbano foi criado em 2007 por decisão do Conselho de Segurança da ONU e começou a funcionar dois anos depois. A promotoria considera que Badredine e Ayash foram os autores intelectuais e executores do atentado.

Os outros dois acusados, Oneisi e Sabra, entregaram à rede de televisão "Al Jazeera" um vídeo falso na qual reivindicavam a autoria do atentado em nome de um grupo inexistente, segundo a promotoria.

Todos eles estão sendo julgados à revelia depois que o líder do Hezbollah, Hassan Nasrallah, negou-se a entregá-los ao tribunal da ONU, alegando que a corte é um instrumento nas mãos dos Estados Unidos e Israel.

Os libaneses esperam que o processo, que começou após anos de investigações, possa pôr fim aos crimes políticos ocorridos no país durante os anos da guerra civil (1975-1990) e que prosseguiram após seu término.

A morte de Hariri abriu uma série de atentados contra políticos, intelectuais e jornalistas que criticavam de modo aberto a Síria, que apesar disso não foi acusado pelo ataque. 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também