Com imbróglio na Otan, Biden recebe líderes de Finlândia e Suécia

Finlândia e Suécia pediram de forma inédita para entrar na organização militar da Otan, mas a Turquia é contra. Os EUA tentarão mediar o embate
Biden e o presidente da Finlândia, Sauli Niinistö (foto de arquivo): desejo de adesão dos nórdicos à Otan (Pete Marovich-Pool/Getty Images)
Biden e o presidente da Finlândia, Sauli Niinistö (foto de arquivo): desejo de adesão dos nórdicos à Otan (Pete Marovich-Pool/Getty Images)
Por Da RedaçãoPublicado em 19/05/2022 06:00 | Última atualização em 19/05/2022 10:14Tempo de Leitura: 4 min de leitura

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia.

A novela sobre a adesão de Finlândia e Suécia à Otan tem mais um capítulo nesta quinta-feira, 19. O presidente americano, Joe Biden, recebe os líderes dos dois países na Casa Branca para uma reunião, enquanto Washington tenta solucionar o imbróglio da contrariedade da Turquia aos novos membros.

Esteja sempre informado sobre as notícias que movem o mercado. Assine a EXAME por menos de R$ 11/mês

Estão previstos na reunião na Casa Branca a premiê da Suécia, Magdalena Andersson, e o presidente da Finlândia, Sauli Niinistö. Na pauta oficial, está a "segurança europeia" em meio à guerra na Ucrânia, que já dura quase três meses.

Os dois países, historicamente neutros, pediram oficialmente para ingressar na Otan na quarta-feira, 18.

Os EUA declararam apoio ao pedido dos nórdicos e têm feito acenos públicos de que pretendem facilitar a entrada na aliança, em um processo que pode levar ainda mais de um ano.

LEIA MAIS: Jovens, pobres e minorias: quem são os soldados russos mortos na Ucrânia

Mas há entraves antes que isso aconteça: além da própria Rússia, cujo governo já ameaçou nas últimas semanas retaliações no caso de adesão dos nórdicos, o principal embate no momento ocorre no coração da própria Otan, com a oposição da Turquia.

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, confirmou nesta semana que pretende barrar a entrada de finlandeses e suecos. O ingresso dos membros precisaria de unanimidade entre os 30 países da Otan.

Nos bastidores, a diplomacia dos EUA tenta costurar um acordo com o governo turco. Nesta quarta-feira, após o pedido oficial de ingresso dos países, o presidente Joe Biden também se pronunciou, sem citar diretamente a Turquia, mas chamando a adesão de "histórica".

LEIA MAIS: EUA teme teste nuclear da Coreia do Norte durante visita de Biden à Ásia

“Saúdo calorosamente e apoio fortemente os pedidos históricos da Finlândia e da Suécia para adesão à Otan e espero trabalhar com o Congresso dos EUA e nossos aliados da Otan para trazer rapidamente a Finlândia e a Suécia para a aliança defensiva mais forte da história”, disse Biden em um comunicado.

Além das costuras sobre a Otan, Biden embarca nos próximos dias a uma viagem pela Ásia, região que se tornou centro das atenções americanas em meio às disputas com a China.

Por que a Turquia rejeita Suécia e Finlândia

O motivo oficial da oposição turca aos possíveis novos membros da Otan é sobretudo um embate com relação à causa curda.

Ancara critica Suécia e Finlândia por não aprovarem seus pedidos de extradição de pessoas que acusa de serem membros de "organizações terroristas" curdas, notadamente o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK).

Há um imbróglio histórico entre os turcos e o movimento por independência curdo, que inclui parte do território da Turquia.

LEIA MAIS: Ex-KGB, czar e popular: quem é Putin e qual é seu interesse na Ucrânia

Sanções dos países para exportações de armas para a Turquia também estão na lista de problemas, na visão dos turcos. A Suécia, por exemplo, suspendeu em 2019 a venda de armas à Turquia pela operação militar turca na vizinha Síria.

Analistas acreditam ainda que a Turquia busque vantagens em troca de sua autorização, como, por exemplo, o levantamento da recusa dos Estados Unidos em vender-lhes caças F-35, segundo reportou a AFP.

Na outra ponta, o grande divisor de águas para a decisão de Suécia e Finlândia de entrar na Otan começou sobretudo após a invasão da Ucrânia pela Rússia, em fevereiro. A leitura entre os políticos locais foi de que o novo momento de segurança da Europa deixava os nórdicos, historicamente neutros, mais expostos.

A oposição ao ingresso na aliança militar, que existia antes nestes países, também diminuiu, e a entrada na Otan foi aprovada nos parlamentos com ampla maioria. 

A Otan é uma aliança militar formada no período da Guerra Fria, formada por EUA, países da Europa Ocidental e outras potências, mas que vem se expandido nas últimas décadas para incluir países da antiga órbita da União Soviética. Pelo acordo da aliança, se um país-membro for atacado, todos têm de defendê-lo. A Ucrânia pleiteava um ingresso na Otan, o que não aconteceu e gerou parte das desavenças com a Rússia.

(Com informações da AFP)