• AALR3 R$ 20,01 -0.30
  • AAPL34 R$ 70,99 3.76
  • ABCB4 R$ 16,93 1.62
  • ABEV3 R$ 14,23 0.14
  • AERI3 R$ 3,76 -0.53
  • AESB3 R$ 10,81 -1.01
  • AGRO3 R$ 31,09 -1.11
  • ALPA4 R$ 22,80 2.84
  • ALSO3 R$ 19,15 1.59
  • ALUP11 R$ 26,48 -0.08
  • AMAR3 R$ 2,52 -2.70
  • AMBP3 R$ 31,84 -1.58
  • AMER3 R$ 21,57 0.33
  • AMZO34 R$ 3,52 4.14
  • ANIM3 R$ 5,51 -0.72
  • ARZZ3 R$ 83,00 2.13
  • ASAI3 R$ 15,78 -1.93
  • AZUL4 R$ 20,92 -0.14
  • B3SA3 R$ 12,68 2.18
  • BBAS3 R$ 37,07 -1.04
  • AALR3 R$ 20,01 -0.30
  • AAPL34 R$ 70,99 3.76
  • ABCB4 R$ 16,93 1.62
  • ABEV3 R$ 14,23 0.14
  • AERI3 R$ 3,76 -0.53
  • AESB3 R$ 10,81 -1.01
  • AGRO3 R$ 31,09 -1.11
  • ALPA4 R$ 22,80 2.84
  • ALSO3 R$ 19,15 1.59
  • ALUP11 R$ 26,48 -0.08
  • AMAR3 R$ 2,52 -2.70
  • AMBP3 R$ 31,84 -1.58
  • AMER3 R$ 21,57 0.33
  • AMZO34 R$ 3,52 4.14
  • ANIM3 R$ 5,51 -0.72
  • ARZZ3 R$ 83,00 2.13
  • ASAI3 R$ 15,78 -1.93
  • AZUL4 R$ 20,92 -0.14
  • B3SA3 R$ 12,68 2.18
  • BBAS3 R$ 37,07 -1.04
Abra sua conta no BTG

Com ajuda de Trump, Israel e Emirados Árabes fecham acordo de paz inédito

A partir de agora, os dois países do Oriente Médio devem começar a assinar parcerias sobre investimentos, turismo, voos diretos, segurança, entre outros
Trump: O acordo foi selado em um telefonema entre Trump, o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu e o xeque Mohammed Bin Zayed (Reuters/Kevin Lamarque)
Trump: O acordo foi selado em um telefonema entre Trump, o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu e o xeque Mohammed Bin Zayed (Reuters/Kevin Lamarque)
Por Clara Cerioni, Carla Aranha, Ligia TuonPublicado em 13/08/2020 12:45 | Última atualização em 13/08/2020 15:45Tempo de Leitura: 4 min de leitura

Israel e Emirados Árabes chegaram a um acordo de paz histórico para normalizar as relações diplomáticas entre os dois países do Oriente Médio. A negociação contou com o intermédio de Donald Trump, presidente dos Estados Unidos.

Segundo informações da Reuters, Israel concordou em suspender a aplicação de soberania a áreas da Cisjordânia que vinha discutindo anexar, disseram altos funcionários da Casa Branca.

O acordo foi selado em um telefonema na quinta-feira, 13, entre Trump, o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu e o xeque Mohammed Bin Zayed, príncipe herdeiro de Abu Dhabi.

Em comunicado, o embaixador dos Emirados Árabes Unidos nos Estados Unidos, Yousef Al Otaiba, avaliou que a assinatura é "uma vitória para a diplomacia e para a região" .

"Este histórico avanço diplomático avançará a paz na região do Oriente Médio e é um testemunho da ousada diplomacia e visão dos três líderes e da coragem dos Emirados Árabes Unidos e de Israel para traçar um novo caminho que desbloqueará o grande potencial no região ", afirmou o comunicado [leia na íntegra ao final].

As autoridades descreveram o acordo, que será conhecido por "Acordos de Abraham", como o primeiro desse tipo desde que Israel e Jordânia assinaram um tratado de paz em 1994.

Ele também dá a Trump um sucesso relacionado à política externa enquanto tenta sua reeleição em 3 de novembro.

 

A partir de agora, Israel e Emirados Árabes Unidos devem começar a se reunir para assinar parcerias bilaterais sobre investimentos, turismo, voos diretos, segurança, telecomunicações e outros assuntos, disse o comunicado.

No final de 2018, em entrevista à EXAME durante sua visita ao Brasil, o premiê Benjamim Netanyahu disse que Israel já estava investindo em encontros de aproximação com os países do Golfo Pérsico.

"Países como os Emirados Árabes, Omã e o Qatar se aproximaram de Israel nos últimos anos. A rivalidade com Israel já estava ficando para trás", afirmou Netanyahu na ocasião, acrescentando que os países têm "todos a mesma origem, semita, e não faz sentido manter uma animosidade que começou há mais de 60 anos".

Leia na íntegra o comunicado do acordo de paz selado entre Israel e Emirados Árabes Unidos:

Declaração do Embaixador Yousef Al Otaiba sobre normalizar totalmente as relações entre Israel e os Emirados Árabes Unidos:

O anúncio de hoje é um avanço significativo para a região e para a diplomacia, pois interrompe imediatamente a anexação e o potencial de escalada violenta; mantém a viabilidade de uma solução para os dois estados, endossada pela Liga Árabe e pela comunidade internacional; cria novas dinâmicas e possibilidades no processo de paz e reforça a estabilidade da Jordânia.

Trata-se de um avanço significativo nas relações árabe-israelenses, que reduz as tensões e cria uma nova energia para mudanças positivas em toda a região. Como duas das economias e sociedades mais dinâmicas do Oriente Médio, os laços mais próximos entre os Emirados Árabes Unidos e Israel irão acelerar o crescimento e a inovação, expandir as oportunidades para os jovens e quebrar preconceitos de longa data. Isso ajudará a mover a região além de um legado conturbado de hostilidade e conflito para um destino mais promissor de paz e prosperidade.

Os Emirados Árabes Unidos e Israel também se unirão aos Estados Unidos para estabelecer uma Agenda Estratégica para o Oriente Médio a fim de aprofundar a cooperação diplomática, comercial e de segurança junto e com outros países comprometidos com a paz e a não interferência. As iniciativas dos Emirados Árabes Unidos para encorajar o diálogo e o envolvimento regionais serão intensificadas.

As negociações para implementar a normalização começarão nas próximas semanas. Mais urgentemente, os Emirados Árabes Unidos e Israel irão expandir e intensificar nossa cooperação no combate ao coronavírus. Os planos de curto prazo também incluem discussões sobre acesso a vistos; ligações aéreas, de telecomunicações e de navegação; colaboração em saúde, água e segurança alimentar, mudança climática, tecnologia e energia; intercâmbios culturais e educacionais; visitas de nível ministerial; e uma troca recíproca de embaixadas.

Os Emirados Árabes Unidos continuarão a ser um forte apoiador do povo palestino - por sua dignidade, seus direitos e seu próprio Estado soberano. Eles também devem se beneficiar na normalização. Como fazemos há cinquenta anos, defenderemos vigorosamente esses fins, agora diretamente e reforçados com incentivos mais fortes, opções de política e ferramentas diplomáticas".