Mundo

Coalizão liderada pelos Estados Unidos ataca posições do regime sírio

Pelo menos 12 pessoas morreram em uma área onde o regime sírio e a coalizão internacional combatem separadamente os extremistas islâmicos

Exército sírio: a coalizão internacional atua no país desde 2011 para combater o Estado Islâmico (EI) (Omar Sanadiki/Reuters)

Exército sírio: a coalizão internacional atua no país desde 2011 para combater o Estado Islâmico (EI) (Omar Sanadiki/Reuters)

A

AFP

Publicado em 24 de maio de 2018 às 09h28.

Última atualização em 24 de maio de 2018 às 09h57.

A coalizão liderada pelos Estados Unidos bombardeou nesta quinta-feira posições do regime no leste da Síria, matando 12 pessoas em uma área onde os dois lados combatem separadamente os extremistas islâmicos, informou uma ONG.

A agência oficial de notícias síria Sana confirmou os ataques aéreos, dizendo que elas causaram apenas danos materiais. Em Washington, um porta-voz do Pentágono afirmou que não tinha "informações" para respaldar essas alegações.

A coalizão internacional atua no país em guerra desde 2011 para combater os jihadistas do grupo Estado Islâmico (EI). Mas também atingiu as forças do regime de Bashar al-Assad nos últimos anos.

Nesta quinta-feira, seus aviões atingiram posições no Exército ao sul de Bukamal, cidade a poucos quilômetros da fronteira iraquiana, segundo o Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH).

Pelo menos 12 combatentes não-sírios foram mortos, indicou o diretor do OSDH, Rami Abdel Rahmane, sem poder especificar sua nacionalidade. Combatentes iranianos, libaneses e iraquianos lutam ao lado do regime nessa região. Três veículos também foram destruídos.

Uma fonte militar citada pela Sana confirmou que posições do regime entre Bukamal e Hmeimeh foram alvos "de um ataque de aviões da coalizão americana".

Bukamal e Hmeimeh estão na província de Deir Ezzor, onde as tropas pró-governo de um lado e a coalizão internacional e as Forças Democráticas Sírias (FDS, uma coalizão dominada pelos curdos) do outro conduzem ofensivas separadas contra o EI.

A coalizão internacional apoia a FDS em sua luta contra o EI, que perdeu a maior parte do território que controlava desde 2014 na Síria e no vizinho Iraque. Mas o grupo jihadista continua presente em áreas desérticas entre os dois países, especialmente na província de Deir Ezzor.

De acordo com uma fonte militar das forças pró-regime, os ataques visaram duas posições perto de uma linha de frente com o EI. "Não há iranianos ou libaneses entre as vítimas", afirmou, sem maiores detalhes.

O regime enviou reforços no local, de acordo com o OSDH.

Em fevereiro, bombardeios da coalizão na província de Deir Ezzor mataram pelo menos 100 combatentes e aliados do regime, incluindo russos, em retaliação a um ataque contra posições das FDS. E em setembro de 2016, ataques aéreos contra posições militares do regime, também no leste do país, custaram a vida de mais de 60 soldados sírios.

Na segunda-feira, as tropas do governo expulsaram o EI de seu último reduto na região de Damasco.

Mais de mil jihadistas foram evacuados desta área para o "badiya" (deserto em árabe) que se estende do centro da Síria até as fronteiras orientais com o Iraque.

Na terça-feira, de acordo com o OSDH, 26 membros das forças pró-governo foram mortos em um ataque do EI nesta região desértica.

O conflito na Síria já matou mais de 350.000 pessoas desde 2011.

Acompanhe tudo sobre:Bashar al-AssadEstado IslâmicoEstados Unidos (EUA)Síria

Mais de Mundo

Programa espacial soviético colecionou pioneirismos e heróis e foi abalado por disputas internas

Há comida nos mercados, mas ninguém tem dinheiro para comprar, diz candidata barrada na Venezuela

Companhias aéreas retomam gradualmente os serviços após apagão cibernético

Radiografia de cachorro está entre indícios de esquema de fraude em pensões na Argentina

Mais na Exame