China: serviços e indústria registram recuperação após flexibilização de restrições pela Covid-19

O Índice de Gerentes de Compras (PMI), indicador importante no país, subiu para 54,7 pontos em junho
Esta é a primeira vez desde fevereiro que o índice fica acima de 50 pontos (Chu Baorui/VCG/Getty Images)
Esta é a primeira vez desde fevereiro que o índice fica acima de 50 pontos (Chu Baorui/VCG/Getty Images)
A
AFP

Publicado em 30/06/2022 às 06:42.

Última atualização em 30/06/2022 às 06:51.

As atividades industriais e do setor de serviços na China se recuperaram em junho, de acordo com dados oficiais publicados nesta quinta-feira, estimuladas pela flexibilização das restrições em grandes cidades como Xangai ou Pequim.

O Índice de Gerentes de Compras (PMI) não industrial, um indicador importante da atividade na segunda maior economia do mundo, subiu para 54,7 pontos em junho, após três meses de resultados ruins.

Leia também: Otan acusa a China de desafiar seus interesses e segurança

Esta é a primeira vez desde fevereiro que o índice fica acima de 50 pontos, a barreira entre crescimento e a contração. Em maio atingiu 47,8 pontos.

“À medida que a situação de prevenção e controle da pandemia continua melhorando e o pacote de políticas para estabilizar a economia é implementado em um ritmo mais rápido, a recuperação global da economia de nosso país acelera", disse Zhao Qinghe, do Instituto Nacional de Estatísticas.

A atividade em setores muito afetados pela pandemia, como transporte aéreo e ferroviário, melhorou consideravelmente.

O PMI industrial também entrou no terreno positivo, a 50,2 pontos, contra 49,6 em maio.

Com a retomada do trabalho após os confinamentos provocados pela covid, a produção e a demanda do setor e os tempos de entrega melhoraram, de acordo com o instituto de estadística.

A China é o único grande país do mundo que mantém a estratégia de covid zero para erradicar rapidamente qualquer susto da doença com testes em larga escala e confinamentos, o que afeta a economia.

Embora o país tenha reduzido o período de quarentena para os viajantes internacionais, o presidente Xi Jinping disse na quarta-feira que a China "enfrentaria consequências inimagináveis" se adotasse uma política mais flexível diante da pandemia.

Veja também:

Como a guerra na Ucrânia pode tirar Venezuela e Irã da sombra

Mais tropas, novos membros: cúpula da Otan tenta mostrar 'força coletiva