China quer rápida solução para incidente com Argentina

Na segunda-feira, um guarda-costeira argentino disparou e afundou o pesqueiro chinês Lu Yuan Yu 10, que estaria trabalhando ilegalmente

Pequim - A China espera resolver "o mais rápido possível" o incidente relacionado à embarcação pesqueira chinesa que foi afundada esta semana por uma embarcação da guarda costeira da Argentina, disse nesta quinta-feira um porta-voz oficial que reiterou as "sérias preocupações" de Pequim.

"Esperamos que o incidente possa ser resolvido de forma adequada o mais rápido possível", afirmou Lu Kang, porta-voz do Ministério de Relações Exteriores, ao ressaltar que "as duas partes estão em comunicação através de canais diplomáticos".

Na segunda-feira, um guarda-costeira argentino disparou e afundou o pesqueiro chinês Lu Yuan Yu 10, que estaria trabalhando ilegalmente nas águas do país latino-americano.

Após uma perseguição de várias horas, a embarcação chinesa tentou abordar a argentina, que respondeu com disparos, o que causou o naufrágio do pesqueiro. Os 32 tripulantes foram resgatados ilesos.

O Ministério de Relações Exteriores da China transmitiu uma queixa formal à Argentina pelo fato, em que pedia uma investigação oficial e as medidas necessárias para garantir que "incidentes semelhantes" não voltem a se repetir.

Mas o porta-voz afirmou a confiança de Pequim de que este incidente não afetará as relações bilaterais: "China e Argentina são amigos. Esperamos que este assunto seja resolvido apropriadamente", afirmou.

Também pediu às autoridades argentinas que protejam os interesses legais dos marinheiros chineses, reiterou o pedido de uma investigação formal, e que Pequim seja notificada dos resultados.

Segundo a imprensa chinesa, a embarcação era da companhia Yantai Fisheries, que faz parte do conglomerado pesqueiro estatal China National Agricultural Development Group, o que não foi confirmado por Lu.

Em um tom mais duro, o jornal oficial "Global Times" qualificou o incidente de "bárbaro" e "brutal" em um editorial que tachou de "inaceitável" a ação da guarda-costeira argentina.

Para o jornal, mesmo que o pesqueiro estivesse trabalhando ilegalmente em águas argentinas, a guarda-costeira foi "longe demais" em uma ação que pôs em perigo a vida da tripulação da embarcação chinesa.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também