• AALR3 R$ 20,01 -0.30
  • AAPL34 R$ 70,99 3.76
  • ABCB4 R$ 16,93 1.62
  • ABEV3 R$ 14,23 0.14
  • AERI3 R$ 3,76 -0.53
  • AESB3 R$ 10,81 -1.01
  • AGRO3 R$ 31,09 -1.11
  • ALPA4 R$ 22,80 2.84
  • ALSO3 R$ 19,15 1.59
  • ALUP11 R$ 26,48 -0.08
  • AMAR3 R$ 2,52 -2.70
  • AMBP3 R$ 31,84 -1.58
  • AMER3 R$ 21,57 0.33
  • AMZO34 R$ 3,52 4.14
  • ANIM3 R$ 5,51 -0.72
  • ARZZ3 R$ 83,00 2.13
  • ASAI3 R$ 15,78 -1.93
  • AZUL4 R$ 20,92 -0.14
  • B3SA3 R$ 12,68 2.18
  • BBAS3 R$ 37,07 -1.04
  • AALR3 R$ 20,01 -0.30
  • AAPL34 R$ 70,99 3.76
  • ABCB4 R$ 16,93 1.62
  • ABEV3 R$ 14,23 0.14
  • AERI3 R$ 3,76 -0.53
  • AESB3 R$ 10,81 -1.01
  • AGRO3 R$ 31,09 -1.11
  • ALPA4 R$ 22,80 2.84
  • ALSO3 R$ 19,15 1.59
  • ALUP11 R$ 26,48 -0.08
  • AMAR3 R$ 2,52 -2.70
  • AMBP3 R$ 31,84 -1.58
  • AMER3 R$ 21,57 0.33
  • AMZO34 R$ 3,52 4.14
  • ANIM3 R$ 5,51 -0.72
  • ARZZ3 R$ 83,00 2.13
  • ASAI3 R$ 15,78 -1.93
  • AZUL4 R$ 20,92 -0.14
  • B3SA3 R$ 12,68 2.18
  • BBAS3 R$ 37,07 -1.04
Abra sua conta no BTG

China pede para bancos evitarem especulação no mercado imobiliário

Com mais de US$ 300 bilhões em dívidas, a incorporadora imobiliária Evergrande corre o risco de um colapso que ameaça a economia nacional e mundial
 (Reuters/Thomas Peter)
(Reuters/Thomas Peter)
Por AFPPublicado em 30/09/2021 07:55 | Última atualização em 30/09/2021 07:55Tempo de Leitura: 2 min de leitura

A China pediu aos bancos que estabilizem o mercado imobiliário e evitem a especulação, em meio a temores de que a dívida do consórcio Evergrande afete todo setor.

Com mais de US$ 300 bilhões em dívidas que vem tentando saldar, a incorporadora imobiliária Evergrande corre o risco de um colapso que ameaça a economia nacional e mundial.

Em uma reunião na quarta-feira (29), o Banco Popular da China (Banco Central) disse que o setor financeiro do país deve cumprir as metas de "estabilizar os preços de terrenos e moradias" e "insistir em não usar os imóveis como estímulo econômico de curto prazo", segundo um comunicado publicado na Internet.

O comunicado da reunião com a comissão reguladora de bancos e seguros não citou especificamente a Evergrande, empresa que tem sua sede na cidade de Shenzhen (sul).

O texto envia, no entanto, um sinal claro de que as autoridades temem o impacto e as consequências da crise da Evergrande no setor imobiliário chinês, sujeito a restrições cada vez mais rígidas para evitar especulações.

Até então, Pequim vem se negando a ajudar o conglomerado e, segundo a imprensa chinesa, o governo local de Shenzhen abriu uma investigação do braço de investimentos de Evergrande.

Para cumprir o pagamento de suas obrigações, a Evergrande começou a liquidar ativos, incluindo a venda de uma participação de US$ 1,5 bilhão em um banco regional chinês para uma empresa estatal.

Também chegou a um acordo, na semana passada, para pagar os juros de um título em yuans, a moeda chinesa.

Veja Também

Airbnb deixa de oferecer acomodações na China
Negócios
Há 5 dias • 2 min de leitura

Airbnb deixa de oferecer acomodações na China

Didi Global, dona da 99, vai deixar a bolsa de Nova York
Mercados
Há 5 dias • 3 min de leitura

Didi Global, dona da 99, vai deixar a bolsa de Nova York