China impõe sanções a ex-secretário e outros em retaliação aos EUA

A decisão é uma resposta ao alerta, feito pelos Estados Unidos a empresas americanas, sobre "os crescentes riscos associados" em Hong Kong por conta da atuação do governo chinês

A China irá impor sanções a sete indivíduos e entidades americanas, incluindo o ex-secretário do Comércio Wilbur Louis Ross, segundo porta-voz do Ministério de Relações Exteriores do país. A decisão é uma resposta ao alerta, feito pelos Estados Unidos a empresas americanas, sobre "os crescentes riscos associados" em Hong Kong por conta da atuação do governo chinês.

Além de Ross, são alvos das sanções chinesas, segundo o porta-voz: a presidente da Comissão de Revisão de Segurança e Economia EUA-China, Carolyn Bartholomew, o ex-diretor da Comissão Executiva do Congresso sobre a China, Jonathan Stivers, o gerente-sênior do programa do Instituto Republicano Internacional, Adam Joseph King, a diretora para a China da Human Rights Watch, Sophie Richardson, o Conselho Democrático de Hong Kong e DoYun Kim, do Instituto Nacional Democrático para Assuntos Internacionais.

A decisão é baseada na Lei de Sanções Anti-Estrangeiras, aprovada no mês passado com o intuito de contrapor punições adotadas por outros países. "Eu gostaria de enfatizar mais uma vez que Hong Kong é a Região Administrativa Especial da China e seus assuntos são parte integrante dos assuntos internos do país", disse o porta-voz, "Qualquer tentativa de forças externas de interferir nos assuntos de Hong Kong seria tão fútil quanto uma formiga tentando sacudir uma grande árvore".

O porta-voz disse ainda que a Assessoria de Negócios de Hong Kong, criada recentemente pelos EUA, tem o intuito de "difamar infundadamente o ambiente de negócios da região e, ilegalmente, impor sanções a vários funcionários do Escritório de Ligação do Governo Popular Central na região".

De acordo com o governo americano, porém, a assessoria foi estabelecida para alertar os negócios americanos sobre os "riscos crescentes" de suas operações e atividades em Hong Kong. Segundo a Casa Branca, esses riscos seriam decorrência da implementação da lei sobre proteção da segurança nacional chinesa, além de outras recentes mudanças legislativas, na região.

  • Quer saber tudo sobre a política internacional? Assine a EXAME e fique por dentro.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também