China envolve Bo Xilai pela primeira vez em ação criminosa

O escândalo de Bo abalou o governo chinês, expondo richas dentro do Partido Comunista, que governa o país
O ex-político do alto escalão do Partido Comunista, Bo Xilai (Reuters)
O ex-político do alto escalão do Partido Comunista, Bo Xilai (Reuters)
B
Ben Blanchard e Sally HuangPublicado em 19/09/2012 às 09:12.

Pequim - A China envolveu pela primeira vez na quarta-feira o ex-político do alto escalão do Partido Comunista Bo Xilai em um ato criminoso, em um relato do julgamento de um chefe de polícia publicado na mídia estatal.

O ex-chefe de polícia da cidade de Chongqing Wang Lijun tentou dizer à "pessoa mais importante do comitê do Partido de Chongqing na época" - ou seja, o então chefe do Partido Comunista da cidade, Bo - que a esposa dele, Gu Kailai, era suspeita de ter assassinado um empresário britânico.

Wang, porém, foi "furiosamente repreendido e teve suas orelhas esbofeteadas", de acordo com o relato oficial da agência de notícias Xinhua sobre o julgamento de Wang nesta semana na cidade de Chengdu, perto de Chongqing.

A referência a Bo, praticamente inconfundível, aumenta as chances de ele enfrentar acusações criminais, possivelmente por tentar encobertar o crime.

Até agora, Bo foi somente acusado por quebrar a disciplina interna do partido.

O escândalo de Bo abalou o governo chinês, expondo richas dentro do Partido Comunista, que governa o país e tem entre alguns de seus membros fortes defensores das políticas populistas, com inclinações de esquerda, de Bo. O caso se desenrola num momento em que a China se prepara para a escolha de um novo presidente, fato que ocorre a cada dez anos no país.

Wang, de 52 ano, deu início à apuração do assassinato do empresário britânico Neil Hewood e do encobertamento do caso em fevereiro, quando se dirigiu ao consulado dos EUA, em Chengdu e, segundo fontes, revelou o crime que acabaria por levar à destituição de Bo do poder na cidade.

Passadas 24 horas da visita de Wang ao Consulado, Bo foi removido do cargo de chefia no PC local e do Politburo (instância de poder do partido). A mulher de Bo, Gu foi acusada de envenenar o empresário e, posteriormente, sentenciada à morte, pena que foi suspensa.