Mundo

China critica comentários do G7 sobre tensões envolvendo o país

O representante do governo chinês também manifestou "forte insatisfação e firme oposição" às posições do G7 e afirmou ter levado o assunto ao Japão e a outras "partes relevantes"

China e G7: O porta-voz da China também afirmou que a resolução da questão de Taiwan é "assunto do próprio povo chinês e deve ser decidida pelo povo chinês" (rawfile redux/Getty Images)

China e G7: O porta-voz da China também afirmou que a resolução da questão de Taiwan é "assunto do próprio povo chinês e deve ser decidida pelo povo chinês" (rawfile redux/Getty Images)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 21 de maio de 2023 às 08h43.

China reagiu de forma negativa aos comentários do G7, reunido em Hiroshima, no Japão, a respeito de assuntos relacionados ao país. O grupo, que reúne algumas das democracias mais ricas do mundo, afirmou em comunicado estar atento à situação de direitos humanos na China, em Taiwan e em Xinjiang, e fez comentários sobre a política chinesa para o Mar do Sul da China.

"O G7 insistiu em manipular questões relacionadas à China, difamando e atacando a China e interferindo grosseiramente nos assuntos internos da China", disse um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês.

Oposição ao posicionamento do G7

O representante do governo chinês também manifestou "forte insatisfação e firme oposição" às posições do G7, apresentadas num comunicado divulgado pelos países-membros do grupo, e afirmou ter levado o assunto ao Japão e a outras "partes relevantes".

O porta-voz da China também afirmou que a resolução da questão de Taiwan é "assunto do próprio povo chinês e deve ser decidida pelo povo chinês", ressaltando que o G7 afirma "manter a paz" no Estreito de Taiwan, sem mencionar, contudo, sua oposição à independência do território.

Hong Kong e Tibete

Ele defendeu ainda que os assuntos envolvendo Hong Kong, Xinjiang e o Tibete são questões internas da China, sem necessidade de interferência externa.

"A China se opõe firmemente a qualquer interferência de forças externas sob o pretexto de 'direitos humanos'", disse. "O G7 deveria parar de apontar dedos para a China em questões relacionadas a Hong Kong, Xinjiang e Tibete, e refletir profundamente sobre sua própria história e abusos dos direitos humanos", acrescentou o porta-voz chinês.

Mar da China Oriental e no Mar do Sul

A China considera que a situação no Mar da China Oriental e no Mar do Sul permanece estável, e que "países relevantes devem respeitar sinceramente os esforços dos países da região para manter a paz e a estabilidade, e parar de usar questões marítimas para semear discórdia."

O representante finalizou dizendo que o período de interferência arbitrária "de alguns países desenvolvidos no Ocidente" em questões internas de outros países "acabou para sempre".

"Exortamos os membros do G7 a se conformarem com a tendência geral dos tempos, se concentrarem em resolver seus próprios problemas, pararem de formar 'pequenos círculos' fechados e exclusivos, pararem de conter e oprimir outros países, pararem de criar e provocar confrontos entre campos e que voltem ao diálogo e à cooperação", concluiu o porta-voz da China.

Acompanhe tudo sobre:ChinaTaiwanJapãoG7 – Grupo dos Sete

Mais de Mundo

Kamala Harris obtém delegados suficientes para confirmar candidatura um dia após Biden desistir

Kamala associa Trump a abusadores e golpistas em 1º comício após desistência de Biden

Kamala bate recorde de doações, conquista delegados e deve fechar nomeação nesta semana

Após fala de Maduro, Lula envia Celso Amorim para acompanhar eleição na Venezuela

Mais na Exame