Mundo
Acompanhe:

China: Congresso do Partido Comunista estende governo Xi; rivais são aposentados

O Partido Comunista da China abriu caminho para que seu líder, o presidente Xi Jinping, estenda seu governo por uma segunda década

Xi Jinping, líder da China (Justin Chin/Getty Images)

Xi Jinping, líder da China (Justin Chin/Getty Images)

E
Estadão Conteúdo

Publicado em 22 de outubro de 2022, 11h00.

O Partido Comunista da China abriu caminho para que seu líder, o presidente Xi Jinping, estenda seu governo por uma segunda década, empurrando seus rivais para a aposentadoria e promovendo seus partidários aos escalões mais altos do poder. Concluído hoje, o 20º Congresso do Partido Comunista também reafirmou a estatura de Xi como líder "núcleo" do partido e consagrou suas políticas como parte da carta de governo do partido - como construir uma economia mais igualitária e forças militares de primeira linha, bem como suas demandas por mais espírito de luta entre os quase 97 milhões de membros do partido.

O partido "deve defender mais conscientemente a estatura de Xi como o núcleo do centro do partido e o núcleo de todo o partido" disse a resolução para revisar a carta do partido, que foi aprovada por unanimidade por cerca de 2,3 mil membros do Congresso no Grande Salão do Povo, em Pequim.

As autoridades nomearam um novo Comitê Central, composto por 205 membros titulares e 171 suplentes, que omitiu alguns altos funcionários vistos como forças compensatórias contra o campo de Xi.

Os ausentes mais proeminentes incluíram o primeiro-ministro Li Keqiang, segundo principal líder da China, que às vezes emitiu sinais sobre a política econômica que contradiziam as opiniões de Xi. A ausência de Li no novo Comitê indica que ele está se aposentando do principal órgão decisório do partido, o Comitê Permanente do Politburo.

Quarto lugar na escala de liderança chinesa, Wang Yang, antes visto como um candidato para se tornar o próximo primeiro-ministro, também não foi reeleito para o Comitê Central. Dois outros membros do Comitê Permanente do Politburo, formado por sete homens, também estavam ausentes, embora alguns analistas políticos esperem que o legislador Li Zhanshu e o vice-premiê executivo, Han Zheng, se afastem devido à idade avançada.

Suas saídas abrem caminho para os aliados e protegidos de Xi garantirem cargos importantes no partido e no Estado pelos próximos cinco anos. O líder chinês deve assumir um terceiro mandato como secretário-geral no domingo, rompendo com o ciclo de liderança de 10 anos que seu antecessor, Hu Jintao, havia estabelecido.

A composição do novo Comitê Central, bem como a da principal comissão disciplinar do partido, também eleita hoje, sugerem que o atual chefe do partido em Guangdong, Li Xi, provavelmente se tornará o próximo líder anticorrupção de Xi. O Wall Street Journal informou no início desta semana que Li, que já trabalhou como secretário de um veterano revolucionário com laços estreitos com a família de Xi, provavelmente se juntará à liderança do partido e liderará a comissão disciplinar.

O novo Comitê Central se reunirá no domingo para escolher o próximo Politburo, que mais recentemente incluiu 25 membros, e seu Comitê Permanente.

O próximo Comitê Permanente provavelmente estará repleto de aliados de Xi, informou o WSJ nesta semana. Eles incluem o chefe do partido em Xangai, Li Qiang, que está na frente para se tornar primeiro-ministro na próxima primavera, e Ding Xuexiang, chefe de gabinete de Xi, que está posicionado para se tornar vice-premiê executivo.

Dos principais teóricos do partido, Wang Huning e o líder anticorrupção Zhao Leji provavelmente se juntarão a Xi como os únicos membros do atual Comitê Permanente a obter outro mandato na liderança, embora ambos devam assumir novos cargos, informou o jornal anteriormente.

A parcela de assentos que os aliados de Xi ocupam na próxima liderança oferecerá pistas sobre quanta influência o líder chinês pode exercer na busca de suas prioridades. Analistas dizem que Xi provavelmente não designará nenhum sucessor em potencial, já que isso prejudicaria sua própria autoridade.

Outras importantes posições estatais, incluindo o próximo primeiro-ministro e outros cargos ministeriais, não serão ocupadas por novos líderes até a sessão legislativa anual da China na próxima primavera.