China anuncia mais exercícios militares ante visita de delegação dos EUA a Taiwan

Presidente da ilha autônoma se reuniu com uma delegação de congressistas dos EUA nesta segunda-feira, 15
China: país anuncia mais exercícios militares ante visita de delegação dos EUA a Taiwan (VCG/VCG/Getty Images)
China: país anuncia mais exercícios militares ante visita de delegação dos EUA a Taiwan (VCG/VCG/Getty Images)
E
Estadão ConteúdoPublicado em 15/08/2022 às 09:49.

A China anunciou mais exercícios militares ao redor de Taiwan, à medida que a presidente da ilha autônoma se reunia com uma delegação de congressistas dos EUA nesta segunda-feira, 15, ameaçando renovar tensões entre Pequim e Washington após uma recente visita similar da presidente da Câmara dos Representantes dos EUA, Nancy Pelosi, enfurecer os chineses.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

Pelosi foi a funcionária de governo dos EUA mais graduada a visitar Taiwan em 25 anos. A viagem da presidente da Câmara dos Representantes deflagrou quase duas semanas de exercícios militares pela China, que considera a ilha parte de seu território.

A China acusa os EUA de encorajar a independência de Taiwan por meio da venda de armas e engajamento entre políticos americanos e do governo da ilha.

Já a Casa Branca diz que não apoia a independência, não tem laços diplomáticos formais com a ilha e defende que as duas partes resolvam sua disputa pacificamente, mas afirma ser legalmente obrigada a garantir que a ilha possa se defender de eventuais ataques.

A delegação dos EUA, liderada pelo senador democrata Ed Markey (Massachusetts), se reuniu nesta segunda com a presidente taiwanesa, Tsai Ing-wen e outras autoridades locais, segundo o Instituto Americano em Taiwan, a embaixada de fato de Washington na ilha.

LEIA TAMBÉM:

China: desemprego na faixa entre 16 e 24 anos atinge recorde histórico em julho

China reduz taxa de juros para estimular economia

Novos empréstimos na China caem a 679 bilhões de yuans em julho

China reduz exigências para comprar milho do Brasil