Chile tem 2011 marcado por retorno dos movimentos sociais

Estudantes saíram as ruas para protestar por uma educação gratuita e de qualidade

Santiago - A luta dos estudantes chilenos por uma educação gratuita e de qualidade ao longo deste conflituoso e histórico ano tirou os movimentos sociais do país de um estado de letargia em que caíram após a redemocratização.

Ao mesmo tempo, colocou o governo e os partidos políticos numa encruzilhada. Além dos estudantes, trabalhadores, ecologistas e cidadãos comuns saíram às ruas do Chile, em manifestações que lembraram os protestos do final da ditadura de Augusto Pinochet, em 1990.

A democracia chilena, consolidada sob as bases da estabilidade política e do crescimento econômico, enfrenta hoje o desafio de diminuir as fissuras sociais, atender às demandas da população e revitalizar instituições pouco valorizadas pelos cidadãos.

O principal foco de descontentamento foi o sistema educacional, que assim como a saúde e a previdência foram privatizadas durante o regime militar. O Chile tem um dos sistemas escolares mais desiguais do mundo, pois só 15% da verba da educação é financiado pelo estado.

Em maio, os estudantes começaram a protestar contra esta situação, que vigora desde 1981, e que não foi alterada durante os vinte anos nos quais a centro-esquerda governou o país após a redemocratização.

Milhares de jovens ocuparam as ruas do Chile durante todos esses meses e usaram a Federação de Estudantes do Chile, liderada pela carismática Camila Vallejos, para negociar com o governo. Em outubro, porém, as conversas foram suspensas.

O debate também foi travado no Parlamento, onde em fins de novembro foi aprovado o orçamento para a educação em 2012, que aumentou em 10% a verba para o setor.

As novas contas preveem um aumento de US$ 300 milhões nos fundos para bolsas de estudos nas universidades, assim como um aumento de 5% nas contribuições estatais aos 25 principais centros acadêmicos do país.

Os estudantes, apesar disso, lutam por uma educação gratuita, e dizem que as medidas não significam uma mudança no sistema educacional, por isso já adiantaram que as manifestações continuarão.

O ano de 2011 também assistiu a reivindicações políticas, como o direito ao plebiscito e a supressão do sistema de representação bipartidário; e sindicais, como o reconhecimento do direito à negociação coletiva.

Os ecologistas também se manifestaram contra a construção de represas na Patagônia, e moradores de lugares como Magallanes e Calama simplesmente protestaram contra as duras condições de vida.

Para dar uma resposta aos movimentos sociais, e com isso melhorar sua popularidade, o presidente Sebastián Piñera foi obrigado a realizar diversas mudanças em seu governo.

Olhando de fora, é difícil compreender como um país que goza de estabilidade política e que tem os melhores índices econômicos da América Latina, possa ter vivido um ano tão convulsionado.

A prosperidade não significou, porém, uma melhora na qualidade de vida das famílias chilenas, pois o país permanece entre os quinze mais desiguais do mundo.

Pesquisas mostram que os chilenos não se sentem representados pelo Parlamento e quatro de cada dez cidadãos não participam das eleições. A situação é ainda mais grave entre a população entre 18 e 24 anos: apenas sete em cada 100 jovens exercem seu direito ao voto.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também